quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Certa vez, conversando com um amigo que é contador, chegamos a conclusão que o ser humano nasce, cresce e morre pagando contas. Quando eu ainda morava em Porto Alegre, tinha um vizinho muito simpático que falava de tudo, mas quando alguém perguntava no que trabalhava, o sujeito desviava o assunto como se a gente tivesse falado de algum demônio. Nunca soube o que ele fazia para sustentar a família numerosa. Tem também o tal primo, galã do interior, que depois de idas e vindas, agora aos quarenta anos, finalmente vai se casar, mas tenho que ir na bendita cerimônia para me certificar de que é verdade. De minhas experiências e observações de coisas engraçadas e estranhas, comecei a escrever contos de humor há mais de 20 anos, sempre misturando muita ficção, como é próprio dos contos.
Este blog traz meus contos de humor, com o singelo objetivo de divertir, deixar a vida de quem lê um pouco mais leve, por alguns minutos.
Sejam bem-vindos!

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. venho lhe agradecer o comentário que fizestes no blog da Jaynne; muito belo comentário, gostei mesmo - sim, eu fiz o texto e pedi a honra de publicar no blog da jayne. ela concedeu-me esta honra. publiquei-o no meu blog damiaoaraujo.blogspot.com e no site recanto das letras: www.recantodasletras.com.br/autores/damiaoaraujo em merecimento seu venho lhe dizer que o referido texto - uma flor nasceu no asfalto - é um protesto em favor das mulheres, porque sabemos que sofrem violências - sexuais, por exemplo - homens maus - o homem que observava - levam menininhas - a flor - pra o exterior com falsas promessas... tornam-se prostitutas.... ah, gostei muit

    ResponderExcluir
  3. ah, gostei muito do seu texto. eu ri mesmo. morremos e pagamos contas.... com Deus? com o demo? kkkk um grande abraço!

    ResponderExcluir