sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Alma cabeluda




"Quando a lua estiver na sétima casa, e Júpiter alinhar-se com Marte, então a paz guiará os planetas, e o amor dirigirá as estrelas". 
Fragmento de Aquarius, música tema do filme Hair.

   Hair, filme dirigido por Milos Forman (EUA/1979), consegue materializar como película todos os anseios de uma geração. O roteiro conta a história de um rapaz do interior que passa por Nova Iorque um dia antes de se alistar para a Guerra do Vietnã, e conhece um grupo de hippies com os quais passa a conviver.
   O filme marcou história, mas não parou no tempo. Retrata a busca pela "paz mundial", a grande utopia pregada desde o século passado, mas um acordo de cavalheiros com o presente. Um nirvana de conceitos, onde o respeito ao diferente impera, tendo consciência de que somos seres em constante transformação, absorvendo, construindo; reconstrução e destruição, no acertar e errar, - a iconoclastia cotidiana -; mas buscando nossas histórias nas pegadas em conjunto, na areia marcada por outros pés. O respeito ao planeta, à natureza, ao próximo, até ao vizinho que mora ao lado, que deve lá ter seu motivo de ser tão chato.
   Tudo na vida pode dar certo, mesmo que pareça que está errado, é o desafio constante. Se fosse fácil e bonitinho, era só resolver algumas equações no café da manhã e teríamos um dia perfeito.
   O Hair é mais que isso, propõe o desafio do dia-a-dia, o choque de gerações e até de nós com nós mesmos, num constante divórcio do ir e vir individual: o descobrir suas capacidades e testar seus limites, de outra forma não tem como evoluir.
   A partir disso, se pode pensar na metáfora da alma cabeluda, a que está disposta a novos penteados, um dia quer prendê-los, em outro soltá-los, colocar adereços, lavar, escovar. Por outro lado, almas com alopecia não se permitem opções, concebem tudo em regras pré-determinadas, privilegiam a si próprias; ao coletivo, sem opções de ter o privilégio de soltarem seus cabelos esvoaçantes numa brisa da manhã.
   É meus caros, quem tem alma cabeluda reconhece nos outros todos os cabelos que têm, e propõe uma marcha quase silenciosa em busca de uma magia, um "clic" do destino: a grande utopia, a mística, que possa trazer melhor vida a todos. A verdadeira lei da compensação: se eu fizer o bem, o bem retornará. Lei da física? Pode ser, mas calcada no respeito, apesar do desafio. Ser pacífico, mas sem atitudes estanques. "Viver, e não apenas aguentar". Esse é o Hair.


Aquarius - filme Hair

*Crônica reeditada - primeira crônica publicada no HumorEmConto há dois anos atrás. 
A todos uma feliz sequência de dias!

49 comentários:

  1. Pessoal,
    agradeço antecipadamente a todos que por aqui chegarem para ler e/ou comentar.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Nunca assisti ao filme, mas o jeito como o descreveu, tão minuciosamente, sem, ao mesmo tempo, revelar muitos detalhes do roteiro, já me fez ter vontade de assisti-lo. E muita. Excelente crônica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Alma cabeluda e paz mundial? Só você, Cissa!!!

    Minha alma é cabeluda e pelo que sinto há muita gente com alma careca (risos) Nao há jeito para diversificar a vida, em outras palavras, viver.

    Assim como vivo a mudar meu cabelo (sou extremamente vaidosa com ele) adoro experimentar e viver, sim viver no sentido real da palavra e não apenas como um verbo.

    Bjoks

    ResponderExcluir
  4. Querida Cissa.
    Você me fez lembrar da peça teatral montada na década de 70. Eu ainda era jovem e essa peça fez muito sucesso aqui em São Paulo. E para mim foi um marco para repensar e questionar valores. Nem cogitava em descrever a peça para os pais. No final todo o elenco se despia ,mas na penumbra. Nada chocante. E como você disse um protesto pacífico e nada estanque.
    Lindos dias para você.
    bjs


    ResponderExcluir
  5. Olá, prezada amiga Cissa!
    Infelizmente, também não assisti a essa filme, que, segundo algumas resenhas que li e agora com essa maravilhosa crônica, que está muito bem argumentada e fundamentada, é um clássico que simboliza uma época de mudança na sociedade.
    Para mim, não importa como rotulam um movimento, pois o mais revelante é seu ideal de melhoria de vida e busca da felicidade.
    Pelo exposto acima, fiquei com vontade de ver o filme.
    Se é a primeira crônica publicada aqui, vejo que nessa época tu já eras exímia cronista.
    Gostei muito da pintura. Lembra mesmo uma cabeleira ondulada.

    Felicidade minha ao te rever, amiga.

    Abraços fraternos e excelente 2013 para ti e família!

    ResponderExcluir
  6. Eu sou careca... Mas minha alma... Não sei não!
    Hahahahahaha, essa comparação que você fez ficou interessante Cissa. De se pensar... Hahahahahahaha.
    Quanto ao filme, eu ainda não assisti. Já tive oportunidade, mas não tive vontade. Mas agora vou assisir só por causa do seu texto e ver se consigo detectar nele esse sentimento que ele lhe trouxe!

    Um abração minha amiga! A você e ao povo daí!

    Seu blog faz falta, e você também!

    ResponderExcluir
  7. Ei, amiga!

    Que feliz reedição! Um texto muito reflexivo. Gosto quando falas que o vizinho deve ter seus motivos para ser tão chato.
    Se pensarmos dessa forma tudo fica mais fácil.
    Nunca assisti ao filme, mas já está na minha lista.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Bom dia!
    Cissa
    Tudo bem? Bom retorno!
    sim...um filme que está cheios de conceitos avessos ao status quo, e que tentou demonstrar o quanto a sociedade convencional está cheia de problemas...e não mudou muito.
    A tal ponto que hoje, quando alguém fala abertamente o que pensa e suas palavras contrariam o pensamento vigente, logo vem críticas, que chovem como se o diferente pensar fosse pecado. E a maior ironia nisto tudo é que é justamente na diversidade e na liberdade de expressão que reinam, sobretudo, os maiores avanços já vividos pela humanidade.É certo que cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém e que, em alguns momentos medir as palavras antes de proferi-las pode ser ato de autopreservação. Nestes momentos compete a cada um de nós, ordenar os pensamentos e abrir a boca (se ainda preciso for) apenas quando se fizer necessário e sempre no sentido de evitar embaraços ou constrangimentos.Mas, no fim tudo nos leva ao caminho do aprendizado, para que possamos discernir diante das escolhas apresentadas qual opção queremos para nossa Vida na lei de ação e reação...Na vida nada é fácil, mas não é impossível.
    ...voltei com uma virose "danada" desde o primeiro dia do ano... é aquilo... tem males que vem para o bem, me fez dar uma "parada" e cumprir/fazer somente o estritamente necessário.
    Feliz 13 para vc e seus familiares.Para nós, na blogosfera.
    Bom final de semana!
    Beijos
    ClicAki Blog(IN)FELIZ

    ResponderExcluir
  9. Eu não conheço o filme. O enredo, segundo sua descrição, me parece ser muito interessante. O cinema é um dos grandes meios de reflexão que existe. Esse, citado por você, é um desses. Um beijo no seu coração, minha amiga.

    ResponderExcluir
  10. Cissa querida
    Inexplicavelmente (?) não cheguei a ver o filme, mas se tinha pena de não ter visto, agora, depois de ler a tua resenha, lamento ainda mais. Vou ver se consigo "sacá-lo" da Net para o ver. Adoro musicais, vou brevemente ver "Os Miseráveis".
    A música que o vídeo apresenta - Aquarius - é fabulosa!

    No teu perfil não há indicação de email (no meu também não).
    Sendo assim... entrego-te "em mão" isto:

    Venho convidar-te a apreciares a minha última postagem no meu blog LÍRIOS DO MACUÁ

    Entretanto, se quiseres fornecer-me o teu email aqui tens o meu: maria.caiano@gmail.com

    Bom fim-de-semana.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Grande Cissa, como estais? Olha, me pegou de jeito esse texto, vou te explicar. Amo o movimento de contracultura que nasceu nos Estados Unidos, no que tange à musicalidade, pra quem gosta de música, como eu. O movimento Hippie, como é conhecido no senso comum, gosto de chamar de contracultura, deu seus passos iniciais em 1965, e os Beatles, assim como outros grupos da época, contribuíram musicalmente para isso, e acho que o pico desse 'movimento' se deu em 1967, onde quase 'todas as bandas' da época gravaram discos exóticos sob influencia desse movimento, até chegar em Woodstock, que, diga-se de passagem, foi o show mais conhecido desse movimento. Mas depois de 1970, a grande maioria, e por que não dizer, TODOS os grupos musicais já estavam em outra, e o movimento hippie, que nasceu sob o intento de contestação social, influencias culturais exóticas, protesto contra a guerra do Vietnam, se tornou coisa do passado, a não ser os pouquíssimos hippies andarilhos que perambulavam, e ainda perambulam por ai levantando essa bandeira. E falando do filme, eu o acho um esteriótipo fraco e incompreendido do que foi a essência deste movimento, mas como vc bem frisou no seu texto, a intenção nas entrelinhas de vermos um mundo melhor é louvável. Bem, não sei se vc vai entender o que escrevi, mas é isso ai.

    Um grande abração pra ti.

    ResponderExcluir

  12. Olá Cissa,

    Não vi o filme, mas sua resenha é bem estimulante.
    Todo movimento que sugere mudanças positivas ou remetem a reflexões posturais serão sempre bem vindos, não importando a origem dos mesmos.
    Gostei da metáfora da alma cabeluda. Genial.
    A música é linda.
    Não sabia que você também é perita na arte acrílica. Bela pintura.
    Linda a crônica. Valeu reeditá-la.

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Nunca vi esse filme e deu muita vontade de ver depois de ler o texto.

    ResponderExcluir
  14. "viver e não apenas aguentar" - esse o desafio maior que se nos coloca, na lógica do rompimento de barreiras que tanto a vida como a resignação individual e transindividual sempre erguem diante dos nossos olhos, neste ou naquele momento da existência. e essa relação com a vida, que é plural, faz de nós seres gregários, que sabem o que valem individualmente e quanto mais valem harmonizadas no tecido partilhado. esta semana, e a esse propósito, os media portugueses, muito movidos pela desconstrução (e sobretudo pela efabulação) desta crise global que atinge a europa e portugal em particular, fizeram eco de uma experiência levada a cabo por um sujeito algarvio que viveu um ano sem dinheiro, mas longe da mendicidade. é alguém com formação superior e com um padrão de vida estável, mas que, por opção, se desligou de tudo para recomeçar num cenário quase escatológico. de repente, percebe-se como este indivíduo ativa o chip da sobrevivência, encontrando os seus próprios mecanismos individuais e estabelecendo relações com outros, numa lógica de mutualismo que a todos beneficiava. hoje, à distância de algum tempo sobre a experiência, o aventureiro diz que não sobreviveu; viveu - reativou os mecanismos que tinha deixado adormecer na sua vida.

    sobre essa alma cabeluda (que por vezes aparamos quase até ao couro cabeludo), lembrei-me de álvaro de campos, heterónimo pessoano, ao dizer, em "passagem das horas":
    "Trago dentro do meu coração,
    Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
    Todos os lugares onde estive,
    Todos os portos a que cheguei,
    Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
    Ou de tombadilhos, sonhando,
    E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero."

    beijinho, querida amiga!

    ResponderExcluir
  15. Olá Mrs. Vampire (acordando agora e bocejando, ahaha)Ana.
    Bom dia.
    Caraca... Como bom leitor, eu leio a crônica e os comentários e estou começando a acreditar que sou mesmo um vampiro de sei lá quantos anos igual o vampiro-sininho do Crepúsculo, porque fiquei surpreso em a maioria das pessoas não ter visto Hair.
    Hair não é nem questão de época, é um clássico.
    Admito que acho maior chatice filmes musicais, não tenho muita paciência (acho irreal, ninguém sai do nada cantando e dançando por aí para resolver algo) porém, abro exceções como alguns do Tim Burton e também o Dancer in the Dark com a Bjork (não sei se já viu, o roteiro e a atuação dela é excelente, devia desistir de cantar e investir nisso) que eu super recomendo.
    Este filme é bem ripongo, com certeza um marco para a época, mas como você mesma disse, não deixa de ser atual.
    Adorei a alusão que fez à alma cabeluda. Não só fisicamente, a minha alma também é cabeluda e, portanto, é um martírio por vezes ter que nos controlar e manter o silêncio com algumas almas skinheads. Algumas apenas calvas até que dá para ir levando, de acordo com os argumentos que o parceiro Felisberto fez.
    Existem textos que realmente devem ser reeditados.

    PS: Por causa do seu novo método de blogar, acabei por descobrir que ele tem um nome, se chama Slow Blog, apenas aconselho a não usar este termo, na blogosfera está se tornando meio pejorativo.

    => CLIQUE => ESCRITOS

    LISÉRGICOS...



    ResponderExcluir
  16. Em tudo e por tudo pra mim o que vale mesmo é o amor. Quando estamos na sintonia do amor não há era que possa contrariar o nosso caminhar.
    Csdinho RoCo

    ResponderExcluir
  17. Ainda não vi o filme!! Agora vou ficar com aquela vontade de assistir!! Valeu pela dica!
    jorge-menteaberta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Olá, querida Cissa! Ah, esse filme... Marcou uma época, anos 60, cabelos, atitudes... Todos na ânsia por tempos novos e cheios de paz, um novo começo de era... E olha onde estamos... Sobre Milos Formam, posso falar com s segurança, Amadeus é um dos melhores filmes que já vi dele.
    Beijos.
    Ticy

    ResponderExcluir
  19. numa madrugada destas, baixou a insônia e eis que, na tv, acontecia um reprise de Hair...
    vi tudim e a trilha sonora ficou reprisando dentro da minha cabeça por dias a fio.
    lendo-lhe, no que fala do anseio de paz daquela (e de todas, quero crer) geração, repito seu conterrâneo vitor ramil, na canção satolep: "a paz do indivíduo é a paz do mundo.e viva o rio grande do sul!"

    e viva também o piauí de torquato. minas de drummond.
    viva new jersey, de Allen Ginsberg. viva o minho de J Pimenta. viva andaluzia de lorca!
    viva todo mundo.
    vivamos, nós.

    abração do

    r.

    beijão,
    r.

    ResponderExcluir
  20. Olá amiga Cissa!

    Adorei ler esta tua crónica, mesmo sendo um re-post. É que, eu não li os teus primeiros posts. Ainda não. Creio que todos temos almas cabeludas, mas mais do que isso uma alma complexa. Acredito que com o passar dos anos e dependendo do amadurecimento de cada um de nós, podemos mudar e tornar-nos pessoas melhores, se aprendermos as lições de vida. Aí, a nossa alma fica menos cabeluda e mais colorida, tal como a linda foto do quadro que postaste.
    Parabéns, não sabia que também pintavas!

    Obrigada, por teres aceite o convite para a comunidade Escritores Criativos. Bem-vinda, minha amiga. Estou feliz por me fazeres companhia lá. Aquilo dá um pouco de trabalho, mas vale a pena. Criei algumas categorias, de modo a que fique mais organizado. Pensando em ti e no teu blog, criei a categoria "Crónicas".

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    P. S. - Também senti saudades de ti.

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Boa tarde!
    Cissa
    ah...obrigado pela "preocupação" em agradecer. Pelo menos, eu voltei para reparar um "erro" no meu comments. Tinha visto, mas esqueci de mencionar: parabéns pela "acrílica em madeira". Muito talento. Numa só pessoa.
    Bom final de semana!
    Beijos
    ClicAki Blog(IN)FELIZ

    ResponderExcluir
  22. Olá querida Cissa,

    Estou retornando aos poucos, com atrasos de leituras, respostas e comentarios.

    Mas muito feliz porque reencontrar meus amigos, seus blogs, suas palavras, me dá uma enorme satisfação.

    Vamos lá! Em frente!

    Beijos

    ResponderExcluir
  23. OI CISSA!
    NÃO VI O FILME, MAS TENDO LIDO CRÍTICAS A RESPEITO DELE, JÁ QUE É BASTANTE ANTIGO EM SUA CRIAÇÃO, O ACHO BASTANTE ATUAL EM SUA INTENÇÃO,E AO QUE ME PARECE CONTINUARÁ ASSIM POR MUITO TEMPO JÁ QUE OS PROBLEMAS PARA OS QUAIS PROPÕE SOLUÇÕES, CONTINUAM AI.
    ABRÇS
    http zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI://

    ResponderExcluir
  24. Meu professor Charles Möeller de cultura brasileira, me fez assistir uma vez a adaptação de Hair para o teatro brasileiro, e devo afirmar que foi muito produtivo e divertido também. Almas cabeludas precisam de pessoas com posts inteligentes como os seus madrinha, e ainda bem que não nos privamos disso não é ?

    Não sabia que pintava também, ficou muito bacana. Um beijão !

    ResponderExcluir
  25. Olá, Ana.
    Excelente crônica; ainda não vi Hair e nem outros ótimos filmes como Amadeus, Um Estranho no Ninho, o Mundo de Andy e Sombras de Goya (também de Milos Forman), mas o filme O Povo Contra Larry Flint, é um dos meus preferidos e trata de um tema semelhante, que é o direito à liberdade e à livre expressão desta.
    Creio que em cada época sempre existirão movimentos e atitudes criadas por aqueles que simplesmente se recusam a pensar e agir igual a todo mundo, o que é algo simplesmente obrigatório, para que as pessoas sempre possam ver que jamais devem se acomodar.
    Já tive cabelo comprido, erra horroroso, mas eu gostava.
    Abraço e bom final de semana pra ti, Ana.

    ResponderExcluir
  26. Não havia lido sua crônica, anteriormente. Esse filme, que não assisti, sempre vem à baila quando se menciona movimentos pacíficos e anseios de uma geração. Aliás, estes, no mundo de hoje, continuam voltados para a harmonia e a paz. Uma paz que deve ser alimentada individualmente, e não jogada ao léu, para ser ilusoriamente abraçada por todos.
    Seu texto é rico em linguagem e conteúdo. E não conhecia esse seu outro dote artístico. parabéns! Bjs.

    ResponderExcluir
  27. Cissinha,

    Tudo bem? Voltando a internet com moderação. Passo por aqui até amanhã.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  28. Oi amiga, tudo bem? Vim visitar teu blog e aproveito para dizer que voltei a postar em meu blog. Convido-te a fazer uma visitinha, pois estás fazendo muita falta. Aguardo-te. Abraços do amigo Bicho do Mato.

    ResponderExcluir
  29. Oi Cissa,

    eu assisti o filme e tb gosto muito desta música. Faz parte da minha coletânea particular.

    Hair foi a voz de uma geração, que inconformada reagiu a seu modo. Um jeito evoluido e nem sempre compreendido.

    Até hoje tenho os cabelos esvoaçantes. Demodê? Pode ser. Mas gosto desta leveza e carrego orgulhosa a minha cabeleira e o meu direito de não me deixar escravizar pelas "chapinhas" do mundo moderno.

    Muito bom o texto! Beijos Cissa, se deixar eu fico aqui, discutindo o texto com você até amanhã... rsrs

    Leila

    ResponderExcluir
  30. Cissa!
    Ah querida obrigada por avisar1 Eu também aproveito para avisar que se eu demorar para responder seus comentários ou mesmo para atualizar o blog é que estou levando um tempo maior para atualizá-lo...estou na correria (pra variar) e tentando estabilizar melhor as coisas...acho que todos nós estamos em uma fase que o tempo livre anda escasso e tentamos aproveitá-lo da melhor forma possível...
    Mostre as músicas disney para sua filha e depois me diga qual foi a que ela mais gostou!
    Um mega beijo pra vc! E minha mãe te manda um beijão pra vc e pra sua filha!!!
    Nos começamos o ano bem, espero que vc também tenha começado um bom 2013! Eu comecei ele escrevendo meu livro...seria um sinal? rs
    bjs!

    ResponderExcluir
  31. oi cissa
    voltei para te desejar um bom domingo e dizer que amei a sua tela em acrílico. Acho difícil utilizar a tinta acrílica porque seca rapidamente.

    Parabéns.
    bjs.

    ResponderExcluir
  32. OLá minha querida Cissa, com saudades sempre de você!

    Hair, meu Deus! ...Quantos anos, e ainda pernanece atualíssimo, e creio que por muitos anos o ficará.

    Assisti sim, ao filme, e que pena não vi a peça quando passou em São Paulo e outras capitais. Por Ribeirão nunca passou, porque se tivesse passado eu teria assistido, pois segundo comentários , foi muito melhor que o filme.

    Que cabeça fantástica tem você Cissa, reeditar essa crônica, num tempo em que eu não frequentava o seu espaço, para me surpreender tanto o conteúdo de Hair, e também do teu texto,
    que tem o teu pensamento claro, iluminado pelos teus conceitos acerca da vida que vivemos todos. Parabéns, amiga!

    Bom que volte mesmo...Teu blog é um dos melhores da blogosfera. Além de que, fica um vazio por aqui, quando se afasta...rsss

    Te gosto muito!

    BJos da LU...

    ResponderExcluir
  33. Olá Ana!
    Ao pé da letra o significado de paz é "situação de concórdia e tranquilidade".
    Torná-la eficiente e pô-la em prática, mas confesso que será um tanto escaldante.
    Se cada um fizer sua parte em disseminá-la, acredito que teremos diminuído três quartos dos conflitos.
    Não é de hoje que se busca acordar as formas para erradicá-la. E de maneiras diversas!
    Os poderosos do mundo gastam verbas públicas e somente ficam no blá blá blá!!
    Muitos ainda falarão sobre ela. Em forma de protestos, autdoors, banners, panfletos, emails, posts . . . . . .
    Bj de Cida

    ResponderExcluir
  34. Oi Cissinha,

    Tudo bem por aí?

    Mesmo sendo um clássico, não lembro de assistir esse filme. Mas lembro do sucesso da peça.

    Cada vez mais estou convencida de que o tempo é muito mais que relativo e sem importância para certas situações. Falo isso ao pensar na data de lançamento e na sua primeira postagem. Talvez daqui a 10 ou 100 anos, estaremos diante das mesmas questões, principalmente a mudança.

    Em diferentes momentos, penso que está tudo igual, mas se olho o todo, o movimento dinâmico está ao lado da porta e não percebo. Ontem assisti ao filme "A Viagem" de Tom Hanks (péssimo avaliado nas críticas), que em vários momentos apresenta a frase: "Nossas vidas não nos pertencem. Somos ligados uns aos outros, ao passado,presente e futuro". E ai pergunto existe a decisão, um destino ou apenas a vida que é para ser.

    Penso que a ação da alma cabeluda pode não ser percebida no instante, mas fará a diferença para alguém no futuro. Todavia há um preço que é paga em nome do coletivo com consequências individuais, pelo menos no presente.

    Talvez o meu neto tenha um nova realidade se decido mudar o meu penteado, mas se não mudo, ele poderá ser a neta ou nem existir. Talvez a nossa única decisão é a saída da cama e na sequência até o café poderá ser a utopia.

    Enfim, acho que estou em momento de aceitar que existe o padrão da física, em especial o momento de inércia que mede a dificuldade em se alterar o estado de movimento de um corpo em rotação.

    Beijos e beijos.

    ResponderExcluir
  35. É meio que um sentimento de liberdade o filme,,,de expressão,,,de sentimentos,,,uma novo modo de vida,,,a tão sonhada paz mundial que até hoje não encontramos,,,beijos amiga e uma boa semana pra ti.

    ResponderExcluir
  36. Oi Ciss.
    Não assisti o filme, mas com sua indicação vou procurar assistir.
    Uma grande verdade vc citou, uma pessoa mansa reconhece outra.
    Assim em todas as tribos acontece.
    Os iguais se reconhecem só de olhar ou no caso aqui da net, sentir.
    Que sua semana seja leve.
    beijão lindona.

    ResponderExcluir
  37. Oi Cissa queridona, agora amiga real!
    Ainda bem que vc republicou sua crônica! Muito, mas muito bom mesmo! Eu chamo de lei da semeadura, o que vc planta, vc colhe, e muitas vezes vc planta coisas boas e colhe coisas ruins também. A verdade é que a vida é como um video game, só passamos de fase quando a coisa fica difícil! Não achei muito cabeluda essa metáfora kkkkkkk.
    Bjão minha amiga real queridona. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  38. Cissa querida,

    Acredite ou não, eu nunca assisti "Hair", ele era o filme favorito de um de meus professores da faculdade, ele citava situações de sua trama como exemplo para tudo e acho que por isso acabei criando algum tipo de antipatia na época, por puro preconceito... Hoje esta antipatia acabou e já nem lembro tanto dos spoilers que ele revelou em seus exemplos. Acho que já estou pronto para vê-lo!

    Sobre o tema do post, a paz mundial, acho que sou um tanto utópico, ainda acredito que a paz seja possível, mas para isso é necessário que nos despimos de nosso preconceito, de nossa intolerância e principalmente da ganância. Apesar de ser um clichê, ainda acredito que toda revolução, seja ela de qualquer natureza, começa no meio em que estamos inseridos...

    Beijos querida, ótima semana pra ti!

    ResponderExcluir
  39. Oi Cissa!
    Eu vi esses dias um trecho desse filme, estava passando no TCM, eu resolvi ler a sinopse e fiquei interessado, mas depois eu esqueci! Aí com esse post eu lembrei de novo XD
    Assuntos desse tipo me interessam, a guerra e a reação das pessoas, e acho que Hair mostra bem isso, adorei a metáfora da alma cabeluda. :)
    Vou até mostrar o seu post para a minha professora de História, apesar de eu não ter mais aulas com ela... :)
    bjs

    ResponderExcluir
  40. Um bom dia pra ti minha amiga,,,beijos e flores...

    ResponderExcluir
  41. Bom dia minha menina sorriso !
    Vc como sempre nos trazendo belos textos que nos instiga na leitura.E o desejo que jorras sobre nós que nos leva ao delírio com o desejo de ver ou assistir tudo que nos mostra.Esse filme nunca tive oportunidade de assistir,ou melhor !Nada tinha me chegado sobre ele...mas agora vou em busca por curiosidade...
    bjs minha linda !!!!!
    Saudadesssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss
    desse sorriso que nos atrai !!!!!!!

    ResponderExcluir
  42. Gostei da metáfora. Nunca tinha pensado em uma alma "cabeluda",permitindo-se penteados, composições, testando cortes e diferentes arranjos nas madeixas, dando certo ou não... ahahha....mas a comparação faz todo sentido. Você é uma excelente cronista!

    (lembrei de uma música dos titãs chamada Alma Lavada - http://www.youtube.com/watch?v=LTr1XUJMW9A)

    ResponderExcluir
  43. Hair, assim como outros filmes e livros traz uma mensagem de paz, anti-bélica, um dos primeiros filmes com esse tipo de mensagem foi "Sem Novidade no Front" do inicio dos anos 30 e infelizmente até hoje o não foram entendidos. Parabéns.

    ResponderExcluir
  44. Cissa, querida
    Num dia feioso como o que temos aqui hoje - céu completamente encoberto, chuva, vento (apesar de tudo isto, temperatura amena), não apetece sair de casa. Mas resolvi arrostar a tempestade para vir trazer-te votos de bom fim-de-semana.

    Tudo de bom. Beijinhos

    ResponderExcluir
  45. Minha querida

    Não vi este filme, mas despertou-me a atenção, vou ver se o consigo ver.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  46. Estou aqui hoje por um motivo mais que especial.
    Tenho que dizer que não foi fácil conseguir você para ser meu seguidor,
    foi muita motivação impulsionando com postagens e visitas...que atingi 300 seguidores
    Agradeço te convidando a visitar a florada do IPÊ junto comigo no FOLHAS DE OUTONO !
    Deixo o meu abraço recheado de carinho !!!!!

    ResponderExcluir
  47. Oii Ana, como andam as coisas por aki, apesar de acompanha-la no Face, estava com saudades, não conheço o filme mas vc como sempre arrasou na Cronica! Parabéns! Estou retornando ao blog depois de um período de pausa! Bjoooss

    ResponderExcluir
  48. OI TUDO BEM ?? VIM AKI APENAS P AGRADECER PR ME SEGUIR E DI\ER QUE TEU SITE É MUITO BELO E CHEIO DE COISAS SUPER INTERESSANTES AMEI ! MORAS NUM LUGAR QUE SEMPRE TIVE SONHO DE CONHECER ! ABRAÇOS

    ResponderExcluir