sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Nota sequencial para versos de outrora

Fotografia de Jorge Pimenta


O destino que se cumpra,
se o destino for
Eu apenas quero a flor
de uma última penumbra,
onde a sombra,
entendo eu,
é apenas o lugar
onde a luz
pode declarar-se
verdadeiramente.


Wilson Caritta Lopes

Todo vestido de preto, entrou no quarto de hotel. Dirigiu-se até uma bancada sem acender as luzes. Do lado direito das cortinas cor areia, um feixe recatado de luz pedia licença para lhe iluminar a silhueta e protocolar pequeno testemunho. Sobre a bancada, remexeu em pastas procurando dados entre os dedos, como quem colhia frutos de própria estação. Deletou pensamentos, buscou arquivos e o abraço dos amigos. Recordou-se de quando expelia arco-íris pelos poros, do sorriso fácil e que construía degraus de nuvens entre os versos. Que um dia amou e no outro também.

[Em pedra-ferro, cravada à beira do abismo, entre o temporal e o sol laranja, rezava a escritura:

é esta a minha terra,
o lado norte dos versos,
um país, uma palavra
toda a verdade.
terra branca
letra e poema de tantos segredos
dentro e fora de mim,
a semear braços, horizontes de anis
e outras moradas
onde escrevo,
aplaino rimas
e reinvento silêncios

De entre as pastas, selecionou apenas duas. Saúde e justiça são irmãs da mesma verdade e parceiras da mesma dor.

[Lenda, Poemas em Autoplágio ou apenas imaginação. Cravada à pedra-ferro, rezava a escritura:

o poema corre-me com a água
do canto
lava leve lembra
é este o som é este o sentido
porque as estrelas de dedos longos sempre tocam
as portas e os girassóis
que cabem no mundo:

é aqui, no verso,
que sou todos os homens
é aqui, no verso,
que me esqueço do tempo
é aqui, no verso,
que escavo o fogo.

eis-me o verso.

Com semblante seguro, passou pelo umbral carregando as pastas em baixo do braço esquerdo e mais duas gotas de certeza: homens de bem e poesia jamais falecem a causa da senhora realidade.

Foi quando o poeta tocou a primeira nota sequencial para seus versos e ela espirrava como a alma.

Em memória do poeta Wilson Caritta Lopes
(1964 – 2013)


Jorge Pimenta & Ana Cecília Romeu

The Cinematic Orchestra - To build a home


37 comentários:

  1. Nossa, emocionante! Sem palavras, senão o agradecimento aos dois, Jorge e Ana, por esse momento belo. O Poeta´pássaro ilumina-se, de Lá, e ilumina-nos.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Emocionante, de arrepiar! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Gotas e gotas de emoção! A amizade me toca imensamente.
    Beijo, meus amigos!!!

    ResponderExcluir
  4. que tocante esta homenagem, parabéns aos poetas Jorge e Ana
    A poesia de Wilson ecoa em luminosidade

    beijos e abraços

    ResponderExcluir
  5. E aqui nestes versos me encantei, me emocionei. A homenagem ao grande poeta Caritta por dois grandes poetas, Cissa Romeu e Jorge Pimenta.

    Dias iluminados para vocês sempre.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Ana e Jorge,,,,,, me emocionei, de verdade!!!!
    Luz refletia..de todos os lados...... Lindo demais!

    ResponderExcluir
  7. de emocionar essa réstia de poeta Caritta em vozes tão afinadas!!

    Beijos aos meus queridos!

    ResponderExcluir
  8. Belíssima homenagem..
    Duas figuras ímpares são vocês dois meus queridos..
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Ficou lindo por demais. Uma homenagem com talento, para um poeta também talentoso. Nossa, tão rica a construção que é difícil dizer algo que
    não seja: Parabéns!!!!!! Aplaudo ambos. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Lindo, lindo! Parabéns aos Poetas... Verdadeiros Jardineiros de Poemas que florescem em Poesias!!!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Emudeço e deixo o silencio falar por mim,expressar com fidelidade quão bela homenagem oferecida com merecimento ao grande amigo e poeta Caritta,que recentemente alçou voos mais altos e nos deixou ressentidos de sua presença,embora vivo em nossa memória. Parabéns Ana e Jorge,chegou até ele...Tenho certeza!Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá!Boa noite
    Cissa
    Ficou muito emocionante a parceria, com o Jorge, homenagem, em memória, à Wilson Caritta
    ...era do bem. Não o conheci profundamente. Mas sempre que o encontrava pelas alamedas da blogosfera tinha dele uma ótima impressão. Parecia ter vindo ao mundo para dizer alguma coisa gentil aos seus vários colegas e, sempre ,que nunca deixou de buscar a autenticidade , condenando uma existência ausente, frustrante, inautêntica. Fiquei pensando na passagem do tempo e na permanência transitória neste mundo. Tudo se esvai....a morte talvez seja a luz que deixou, enfim, de brilhar, mas, "a sombra, entendo eu,é apenas o lugar, onde a luz pode declarar se verdadeiramente", homem do bem e poeta, assim, nada nos fará tirar a sua existência...
    Ficam as saudades e as palavras, que serão sempre eternas deste homem do bem e poeta, agora, vivo em nossos corações!
    "♪Fique junto dos teusBoa sorte, adeus.♪"Bilhete (Ivan Lins - Vitor Martins)
    Agradeço pelo carinho,sempre!
    Belo final de semana
    Beijos
    ( uish....ficou difícil para todos, temos que tirar cem pontos em cada etapa, tu já pode comprar a carne para o churrasco de campeã)

    ResponderExcluir
  13. Nossa! Tocante.Um espetáculo de homenagem.
    Só me resta silenciar.
    Parabéns Cissa e Jorge, por este momento sublime e lindo.

    Beijo aos dois.

    ResponderExcluir
  14. Soninha, Taninha, Chica, Adri-flor, Assis,Elisa, Ma, Gagau, Jô, Ingrid, Marilene, Gaivota Dourada, Rafael Augusto, Felix e Verinha,

    agradeço a atenção e as palavras relativas a esta parceria literária em memória do poeta Wilson Caritta Lopes.

    Emocionada com a companhia de vocês.
    Muita luz a todos nós!

    ResponderExcluir
  15. qualquer partilha de escrita contigo é, para mim, aninha, sempre um acontecimento de especial relevância, um instante de celebração da palavra, um momento de entronização da amizade. mas nunca como nesta parceria isso se me fez tão singularmente verdade, ou não fosse o wilson um exímio amigo de tantos dos amigos que aqui se sentam em roda e genuíno plantador de sonhos... pela palavra. afinal, sempre há luzes que não mais se extinguem (dizia-o já morrissey na imortal canção com os the smiths).

    beijos emocionados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto o mesmo, Jorge, que a partilha das palavras contigo na construção das letras plurais, aquelas que se transcendem pelo olhar dos leitores, dos amigos, de quem acessar a nossos escritos, são sempre momentos de relevância.

      Mas esta parceria: Nota sequencial para versos de outrora, - é por demais especial. Pois em memória do poeta e amigo Wilson Caritta Lopes, alguém que fez e faz diferença, gentil e generoso na partilha da palavra-poesia e todos seus significados. Alguém que fez da vida uma extensão de sua própria poesia, e isso se cumpre hoje, como se cumprirá amanhã e depois,e depois... Ou não fosse o circulo de luz que formou-se em torno do nome dele, sua obra, e toda a poesia conjugada num sentido plural e coletivo, mas construída bem dentro da alma, na sétima gaveta que nos alicerça e nos edifica num todo, e ela espirra e esguicha sonhos e eternidades!
      Muito emocionada... Jorge, meu amigo...
      ...

      Deixo-te e também a todos nossos amigos que por aqui passarem para ter conosco, o último parágrafo de uma crônica que fiz como sequência desta nossa parceria, portanto, também sequência de nossas palavras e a de todos nossos amigos que aqui conjugam letras, sonhos e eternidades, e sim, possibilidades. Eis aqui:

      E cumpre-se o que um dia escreveu o poeta Wilson Caritta Lopes em Entrega de amor para o profeta da ilha: “um anjo mora acima do poema...”. Anjos que sobem prematuramente por degraus de nuvens e deixam obras, família, amigos, amores, mas que se eternizam na sequência do olhar, da voz e da vez de quem um dia sorriu junto a eles.

      Meu agradecimento a todos pela leitura e pela companhia.

      Beijos emocionados!

      Excluir
  16. Olá amiga Císsa.

    Como estás?
    Espero que estejas melhor. Antes que me esqueça, o teu sobrinho Freddie Henriques, o gato mais gato de Portugal manda-te um grande rom-rom e miminhos. ;) Acerca dele, já te respondi no meu blog.

    Querida amiga, ficou óptima a tua poesia em parceria. Não conheço o autor que homenageias, mas vou pesquisar na internet.
    Muita sensibilidade.

    Parabéns aos autores!

    Beijinhos grandes com saudades,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. após um tempinho volto aqui, infelizmente, num momento de mta tristeza, mas saio com o coração acarinhado por vc e pelo Jorgito. ah, tão belo gesto!
    bj grandão, minha amiga lindona

    ResponderExcluir

  18. Marlene, Cris e Ira, agradeço a atenção e a companhia de vocês na publicação desta parceria em memória do poeta Wilson.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  19. Cissa o/
    Ai eu vou ter que dizer..você percebeu na hora. No caso o tal parente doente é sim minha mãe Edna...o mais chocante para nós foi o diagnóstico de câncer. Estamos correndo aqui para conseguir a cirurgia e encarar o pós-operatório (que o médico disse ser bem complicado). Isso está me deixando completamente desestruturada, mas vamos suportando e crendo que tudo dará certo! Espero poder, em breve, te dar uma boa notícia!
    bjs pra vc e sua familia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah... Tsu(Pri)... minha amiga...
      publiquei o comentário, pois você não me avisou nada em contrário, qualquer coisa me dá um toque. Vou tentar passar energias positivas, e conversar com o cara lá de cima, tá bom? ... Um beijo imenso para ti, desejando que tudo corra bem com a Edna querida. E força, muita força. Seguimos nos falando pelo faceb. também.

      Excluir
  20. Olá Ana Cecília. Em primeiro lugar, quero te pedir desculpas por demorar tanto a responder, a correria do dia a dia não deixa. Mas fiquei muito feliz em te ver lá no meu blog e de você ter conhecido ele através do nosso querido amigo em comum Felisberto, ele é um amor de pessoa. Nossa! Essa homenagem, ficou muito tocante e emocionante. Eu de vez em quando também me atrevo a escrever, só que histórias de assombrações rsrsrsrs, geralmente reescrevo algum "causo" que tenha ouvido na minha infância e alguns eu crio, mas também tem aqueles que realmente aconteceram, embora poucos acreditem rsrsrssrs. Esse blog se encontra nas guias do meu blog de artesanato, se chama Pitadas de sal pimenta e assombrações rsrsrsrsrsrs...Peço a DEUS que te abençoe com uma linda semana.... Bjimmmmmmm

    ResponderExcluir
  21. Lindo... emocionante... precisa dizer mais? Tocou-me... não consigo... apenas, sinto.

    ResponderExcluir
  22. Nos toca cada palavra....
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  23. Inês Andrade, Bel e Lisette, agradeço a vocês pela companhia nesta publicação em memória do poeta Wilson Caritta.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  24. Cissa, minha querida
    Há meia hora atrás eu desconhecia por completo Wilson Caritta Lopes.
    Como de costume... o vir aqui aumentou o meu conhecimento.
    Quando leio sobre algo ou alguém que desconheço, sempre que tenho tempo procuro informar-me. Não gosto de "falar" do que não sei...
    Neste caso... infelizmente direi que "cheguei tarde", já que, nas informações que colhi (ainda que um pouco à pressa) fiquei sabendo que o poeta fez, recentemente - não consegui saber quando... - a Grande Viagem.
    Das várias coisas que li, amei! o poema "O amor guardado no espelho". Maravilhoso! Guardei-o nas "coisas de que gosto".
    Obrigada, minha querida, por mais esta 'gota de sabedoria'.

    Um beijinho muito GRANDE.
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariazita, querida amiga!
      Sempre com palavras sensíveis que me tocam...
      obrigada!
      Beijinho GRANDE!

      Excluir
    2. "O amor guardado no espelho - vapor do nosso cheiro"

      embaçados escrevemos
      amor no espelho

      evaporamos juntos
      ao dividir o chuveiro

      havia escritas no vapor
      do nosso cheiro

      amor,
      estava escrito

      no espelho suado
      do banheiro...

      nosso amor guardado
      no armário com espelho

      remanufaturado,
      volátil e efêmero.

      - Wilson Caritta -

      Excluir
  25. Olá, Ana.
    Linda demais a parceria de vocês; o Jorge consegue, como todo poeta nato, traduzir em palavras aquilo que nosso coração e alma fala sem que saibamos exprimir de uma forma que faça sentido racionalmente.
    Acho que o grande segredo da poesia é este: ignorar nossa racionalidade e ouvir nosso íntimo.
    Agradeço tua passada lá no blog.
    Abraço e até a próxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacques, guri de Pelotas,
      eu que te agradeço!
      Abraço do tamanho dos nossos Pampas!

      Excluir
  26. nossa! me arrepiei aqui! parabéns a vocês dois! bjos

    ResponderExcluir
  27. Olá, querida Cissinha.

    Eis uma bela homenagem ao poeta Caritta - e como melhor homenagear um poeta senão com versos? E estão ótimos, a parceria com o Jorge Pimenta sempre rende trabalhos magníficos, nos versos e nas imagens líricas.

    Parabéns!

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jaiminho!
      Amigo de todo e sempre.
      Beijos!

      Excluir