quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Das ruas de um Porto-artista aos Alegres

Porto Alegre e o rio Guaíba - fotografia de Ana Cecília Romeu

Mesmo que esteja sangrando de um golpe fatal,
quero uma estrela no instante final.
(Nico Nicolaiewsky, na música: Só cai quem voa.)


Nico Nicolaiewsky - músico, compositor, ator, cantor, humorista - foi mais cedo para a festa lá do céu, aos 56 anos, no dia 7 de fevereiro. Artista que deixava a todos mais alegres, uma alegria furtiva, mas que ajudava a viver como tudo que nos cria degraus para dentro, feito chá de mãe em dia febril. Uma irreverência desacompanhada, a que encontramos em pessoas impares, em quem deixa obras relevantes, em cenários que são somente um.

Fotografia de Raul Krebs

   Recordo-me que assisti pela primeira vez à comédia musical Tangos & Tragédias, que fazia em parceria com Hique Gomez, na praia de Capão da Canoa. Eu ainda era criança, e em esquetes eles apresentavam o mundo fictício da “Sbórnia” e seus personagens: Kraunus Sang e Maestro Plestkaya. Nunca tinha visto nada parecido. E cantavam: “Ana Cristina eu não gosto de você, tô amando loucamente a tua mãe”. Será que meu futuro namorado pensaria assim também? E ali todos os efeitos da arte nas sensações da menina que, depois adulta, assistindo ao mesmo espetáculo que teve vinte e oito temporadas, esta última incompleta, teria a mesma impressão, de que nada era perecível, pois sempre estreia. O Tangos & Tragédias tinha também uma versão em espanhol que foi apresentada na Argentina, Equador, Colômbia e Espanha. Em Portugal, foi eleito pelo público no Festival Internacional de Teatro de Almada, em 2003, como o melhor espetáculo; e de honra em 2004.
   Fiz o caminho inverso, conheci depois o trabalho anterior do Nico, Saracura, uma das bandas gaúchas de maior relevância de todos os tempos, inaugurada nos anos setenta.
   Mais atual e caminhando junto ao projeto do Tangos & Tragédias, seus álbuns solo, as entrevistas, os shows, o espetáculo Música de camelô: universo de artista plural que respondia com surpresas à plateia ávida pelo inusitado.
   E assim, Nico partiu em voo da mesma cidade em que nasceu: Porto Alegre. Capital espelho desse artista: em suas ruas uma certa melancolia feliz; ironia sutil e inteligente em seus passeios; meio preto e branco, outro tanto a cores, mas com nuances sem uso de papel celofane, tal e qual o Theatro São Pedro, tantas vezes palco dele mesmo e seu último. Uma timidez de quem não precisava mostrar para aparecer, das ruelas do Parcão à Redenção, dos recantos da Rua da Praia aos cantos do Bomfim, aqueles, os irreverentes ao ponto certo. Luz própria de quem assistia ao sol laranja-vermelho se deitar sobre o Rio Guaíba, momento em perspectiva de quem era e sempre será: porto, cais e quebradouro. Reflexo e imensidão do Porto até todos os Alegres, nós, a quem a sua arte fez despretensiosamente mais Felizes.
                                                                               
Crônica publicada também nos jornais: 
Jornal do Comércio – Porto Alegre / NH – Novo Hamburgo 

Feito picolé ao sol - Nico Nicolaiewsky (com imagens de Porto Alegre)

 

Tangos & Tragédias - Aquarela da Sbórnia

............................................
Na próxima semana a postagem: Des. caminhos entre pétalas e fulgurações - um brinde com alguns poemas de Adri Aleixo e mais o posfácio de minha autoria publicado no livro Des. caminhos dessa que é uma grande poeta e amiga. 

26 comentários:

  1. Grande perda, mas deixou de presente uma herança belíssima.Adorei a crônica.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  2. ólico! hehe Bonita homenagem. Mas a tua foto! A tua foto é para concurso.

    ResponderExcluir
  3. Uma grande perda pra P.Alegre e ele partiu de repente e muito cedo! bjs,chica

    ResponderExcluir
  4. Uma bela homenagem. Só pra variar, excelente crônica! rs

    Beijos,

    ResponderExcluir
  5. Linda homenagem querida Ana Cecilia!
    Linda sua crônica, um beijinho no coração.

    ResponderExcluir
  6. Que este céu lindo por ti fotografado o receba.
    Merecida homenagem.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Ana Cecilia.. neste plano passam tantas pessoas boas a deixarem coisas para desfrutarmos.. e nós temos de deixar as nossas tb..
    as riquezas construidas não morrem jamais.. tudo é do sempre.. bjs de boa noite amiga querida

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Ana.. eu que agradeço sempre tuas visitas.. e não pense que esqueci.. assim como as demais amigas teu soneto já esta na minha lista.. farei a vc se me der permissão e se puder me passar um pouco dos teus gostos mande-me por email ok
    lapidandoversos@gmail.com
    bjs e uma linda noite
    até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samuel, claro que sim!

      Adoraria um soneto de tua autoria dedicado a mim. Você sabe que aprecio muito tua Poesia.
      Poemas são os melhores presentes que posso receber.

      Beijos!

      Excluir
  9. Breve pausa.

    No retorno, desmodero os próximos comentários e faço as visitas.

    Abraço imenso!

    ResponderExcluir
  10. Oi Ana Cecília, querida e cara amiga.
    O sol postou-se em tristeza momentânea para sua foto belíssima.
    É a natureza abrindo-se em palco a fim de anunciar que os céus acolheram de braços abertos o artista que representou tão bem as multifaces da vida, com todas as nuances de cores e com toda a sabedoria que respeita os sentimentos tristes, mas que realça a necessidade da alegria.
    A vida, portanto, deverá ter o agradecer permanente, pois é este efervescer que nos torna humanos sábios.
    Sua postagem está linda, com a crônica interpretando todo esse sentimento, com seu olhar para Porto Alegre em vídeo que nos cria desejo de estar aí.
    Sua homenagem ao Nico Nicolaiewsky não poderia ser melhor, pois sentimos a ternura na sua escrita, na foto e no vídeo que o enaltecem com todos os méritos.
    É também com esse sentimento que deixo a você meu grande abraço.
    Até mais, com sua sempre aguardada postagem!

    ResponderExcluir
  11. E a estrela de Nico Nicolaiewsky fica para sempre brilhando através de sua linda crônica.
    Lindíssima e inspiradora é a sua foto, Cissa. As canções dos vídeos e as imagens de Porto Alegre no primeiro maravilhosos. Porto Alegre é linda.
    Amei.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. as palavras são também isto que aqui nos deixas: a essência maior dos sentires.
    não conhecia o autor e a obra, mas é impossível descrer de alguém que se fez "porto, cais e quebradouro" - são estes os secretos silêncios que só pela escrita podemos tocar.

    um beijinho!

    ResponderExcluir
  13. Eu lembro de ter visto "Tangos & Tragédias" pela primeira vez em um programa do Jô Soares e eu achei divertidíssimo eles falarem da Sbórnia - e a dupla sempre muito bem humorada, morria de rir. Inclusive em um dos discos da banda mineira Pato Fu há a participação de Kraunus Sang e Maestro Plestkaya em algumas faixas. ( acho que é o álbum "Tem, mas acabou", produzido pelo músico André Abujamra, outro criativo. Bons tempos aqueles do pop nacional onde havia humor inteligente de fato e criatividade de sobra!)

    Uma bela homenagem, Cissa. E a sua foto está linda!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Ana, não conhecia, mas por meio de seu texto percebo que era um grande homem! Se foi cedo... :/

    Não sei pq, mas as imagens postadas não abriram pra mim. Será problema no meu computador???

    Saudades... tentando voltar! bjks :*

    ResponderExcluir
  15. Ana,que maravilhosa e merecida homenagem! Gostei demais de sua cronica! bjs,

    ResponderExcluir
  16. Uma homenagem linda, essa que você faz a ele aqui, Ana. Digna de sua importância aqui na terra. Um grande beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  17. Minha querida

    Uma linda homenagem como sempre muito bem escrita. Não conhecia o homenageado.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  18. Olá, Cissa! Vou retornando e você se ausentando. Quando li sobre a morte dele relembrei sua brilhante trajetória, seu inesquecível trabalho, e lamentei sua eterna ausência. Sua homenagem ficou muito bela, assim como a foto, que mostra as cores mágicas de uma despedida que se sabe não ser definitiva. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  19. Olá Cissa,

    Linda homenagem a este grande artista. Com sua partida, fica marcado o fim de um ciclo histórico do teatro gaúcho.
    Belíssima a crônica. Parabéns!
    A imagem que encabeça a postagem é um show. Uma captura de mestra em fotografia.
    Também lindas as imagens da bela Porto Alegre, que compõem o primeiro vídeo.

    Ótimo restinho de domingo e excelente semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. OI ANA
    Não conhecia mais bela homenagem a esse artista. Parabéns." Somente leve para o amanhã o que lhe fez bem hoje. Não crie raízes nas coisas que não precisam ser eternas." Uma feliz semana.
    Com carinho
    Ana

    ResponderExcluir
  21. Olá, Ana.
    Linda homenagem a este grande artista que conseguiu algo bastante relevante para um país como o nosso (onde Educação é quase um luxo), que é criar um espetáculo unindo humor e crítica social e fazer com que ele ficasse em cartaz por muitos anos.
    Fiquei sabendo sobre a peça Tangos e Tragédias em 1989, quando um colega meu da ETFPel me mostrou um folheto com as letras das músicas, mas infelizmente, nunca pude ver o espetáculo (e também nunca fui ao teatro).
    Um jogo de palavras que nunca esqueci é o das "explosivas sucessões e sucessivas explosões", sobre a origem da Sbornia.
    Uma grande perda, mas felizmente, sua obra perdurará e inspirará outros a seguirem o mesmo caminho de humor e inteligência de Nico.
    Abraço e obrigado pela visita, Ana.

    ResponderExcluir
  22. deixei um pedaço do coração em PoA que sempre me acena e a partida do Nico não é diferente. um lenço branco dançou ao vento o velho fado e meu coração ouviu a tristeza da Sbornia existir.

    baita crônica, lindeza de guria! Nico deve ter dito isso e eu concordo

    Bj grande

    ResponderExcluir
  23. Conheci o trabalho dele.
    Uma grande perda...
    texto arrasador.

    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Olá!Cissa, Uma belíssima crônica e homenagem à Nico-Nicolaiewsky...como dito, a alegria está de luto...apesar de não o ter acompanhado muito e não me lembro bem, se foi em 2010 ou 2O11, assisti , sim, Tangos e tragédias, lirismo e poesia inimagináveis ,de “Ai Se Eu Te Pego” à trilha sonora dos Pokemons ... em tudo ví algo acima do comum e a fluência dos sentimentos verdadeiros expressados e os mais básicos dos anseios humanos...música, humor , criatividade e humanidade...
    Que Deus o tenha!
    Obrigado pelo carinho, boa noite, belo dia,Beijos!

    ResponderExcluir