domingo, 14 de agosto de 2011

A maior casa do mundo


Rascunho (raf), de uma casa, feito nos anos 70,
por meu pai.


Esta crônica* é uma homenagem a todos os pais no seu dia.

   Em um canteiro de obras numa cidade litorânea do Rio Grande do Sul, o arquiteto entrega para duas crianças um balde com argamassa, a colher de pedreiro, e coloca perto uma pequena pilha de tijolos. Olhando para as meninas, diz:
   - Construam a maior casa do mundo!
   O arquiteto era meu pai. As crianças, eu e minha irmã.
   Doces lembranças de um pai pronto a acompanhar as filhas e incentivar. Por diversas vezes, nos levava ao seu trabalho no escritório e em visitas às obras, assim, aprendemos a valorizar a utilidade de um ofício e também nos sentíamos prestigiadas.
   Um pai que nunca reclamava do serviço, concluía, muitas vezes à noite na sala de jantar, suas plantas de arquitetura diante de nossos olhos curiosos, para poder ficar junto à família. Já vi muita casa aparecer e crescer em traços precisos da caneta de nanquim.
   A paternidade é algo muito especial mesmo, a tarefa difícil de fornecer o material aos filhos, as ferramentas, proporcionar os meios e deixá-los orientados para fazerem por si mesmos.
   É impor limites sabendo, mesmo assim, que é fundamental rir e brincar.
   É doação. Trocar o programa preferido da TV pelo desenho animado do ursinho, o cowboy espacial, a princesa de cabelos longos e, mesmo cansado, ainda segurar o filho antes que ele caia do escorregador.
   O pai é capaz de verdadeiras mágicas. Quando coloca o filho nos ombros, a criança ganha altura, tamanho, poder e sente-se, também ela, uma heroína do faz-de-conta, como a das historinhas que ouve ou lê. Assim, o genitor resolve em segundos o que a mãe poderia demorar bons minutos.
   A paternidade é, principalmente, o preocupar-se em silêncio, o vigiar sem ser percebido, o alimentar o futuro de seus descendentes, como quem lê aquele bom livro ou assiste ao filme inesquecível, como se fosse um sonho em constante renovação a cada linha, em cada troca de cena. Pois, o pai sempre se realizará com as realizações de seus filhos: a sequência de seus próprios desejos, a herança em olhos atentos e felizes.
   No decorrer de nossa vida poderemos não ter construído a “maior casa do mundo”, mas com certeza ela terá chão firme, paredes erguidas, um telhado para nos proteger e a quem a habitará depois, se contarmos com a presença de um pai que nos dê segurança, incentivo, boas lembranças, demonstrações de afeto e o mais franco sorriso. E ainda por cima, quando ao fim de nosso trabalho, mostrando a pilha torta de tijolos, ele disser:
   - Perfeita! Esta é a maior casa do mundo!


Eu (bebê menor), com minha irmã Bel e o pai Oscar.

Dedico ao meu pai, Oscar da Silva Rodrigues, que desde 1994 está aproveitando a festa lá no Céu, ao som do maravilhoso Gardel.


* Publicada nos jornais:
NH (Novo Hamburgo), Correio Rural (Viamão),
Correio de Gravataí (Gravataí), Diário de Cachoeirinha (Cachoeirinha), 
VS (São Leopoldo) e Diário de Viamão (Viamão).

33 comentários:

  1. Cissa,
    Que homenagem! Transbordando de amor mas sem pieguice.Me emocionou.
    muitos beijos

    ResponderExcluir
  2. Que coisa mais linda,Cissa! Bela e emocionante homenagem!beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Olá Cissa,
    Comentar o quê sobre essa maravilhosa homenagem que você fez não só ao seu pai, mas à todos que por aqui vão passar, inclusive esse que escreve agora.
    Sem dúvida que seu pai está orgulhoso de ti, mesmo que à distância...
    Eu ainda posso aproveitar os beijos que sempre recebo de minha filha e que sem dúvida, receberei hoje no almoço.
    Belíssima homenagem.
    Ótimo domingo pra você e família.

    ResponderExcluir
  4. A maior casa do mundo tem um pai...
    Bom alvorecer!
    Reflexição para o dia de hj...
    Deus é Pai (Poema)
    Composição: Fábio de Melo

    Quando o sol ainda não havia cessado seu brilho,
    Quando a tarde engolia aos poucos
    As cores do dia e despejava sobre a terra
    Os primeiros retalhos de sombra
    Eu vi que Deus veio assentar-se
    Perto do fogão de lenha da minha casa
    Chegou sem alarde, retirou o chapéu da cabeça
    E buscou um copo de água no pote de barro
    Que ficava num lugar de sombra constante.
    Ele tinha feições de homem feliz, realizado
    Parecia imerso na alegria que é própria
    De quem cumpriu a sina do dia e que agora
    Recolhe a alegria cotidiana que lhe cabe.
    Eu o olhava e pensava:
    Como é bom ter Deus dentro de casa!
    Como é bom viver essa hora da vida
    Em que tenho direito de ter um Deus só pra mim.
    Cair nos seus braços, bagunçar-lhe os cabelos,
    Puxar a caneta do seu bolso
    E pedir que ele desenhasse um relógio
    Bem bonito no meu braço
    Mas aquele homem não era Deus,
    Aquele homem era meu pai
    E foi assim que eu descobri
    Que meu pai com o seu jeito finito de ser Deus
    Revela-me Deus com seu
    Jeito infinito de ser homem.
    Bjssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto Cissa, me deu uma nostalgia danada do meu velho, que partiu em 91, e esse momento é mágico e eterno, onde somos crianças e temos nossos pais ao nosso lado, nos protegendo e nos guiando. Lindo texto, sem mais palavras para comentar, ser pai é algo maravilhoso, não vejo a hora de ter um filho e ter essa experiência na pele.

    Abração pra tu e bom domingo.

    ResponderExcluir
  6. Este texto é de chorrar,bela homenagem a todos pais ou aos que nos acolhem(mães,parentes,companheiro(as)amigos etc)como pais fossem.

    ResponderExcluir
  7. Celilia.. O que eu faço com vc?
    Parabéns irmãzinha..pela sua escrita. Pelo seu papai e pela linda mensagem que vc passou no texto.

    Vc era uma bebezinha muito fofinha.

    Um beijo..te amo!!

    ResponderExcluir
  8. Sem dúvida, Ana, muitos filhos não fazem a menor ideia dos sacrifícios que os pais fazem por eles...
    Por isso, todas as homenagens (independente do dia)do mundo ainda são poucas para estas pessoas especiais.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Cissa!
    ...muito linda estória.
    E o seu papi construiu em seu coração a maior casa do mundo, cheia de encantos e amor!
    Meu pai também foi um arquiteto do amor. Tento aprender esse ofício ensinado por ele.As paredes às vezes ficam meio tortas, mas aprende-se também com os erros.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. A maior casa do mundo não se compara nem um pouco com o tamanho da maior obra de seu pai: a construção de duas filhas maravilhosas chamadas Ana Cecília e Bel... Essas sim foram as maiores edificações que ele ergueu e se ergue, mesmo depois de ter partido, como uma perfeita evocação de sua competência no mundo sob a "pena" de uma de suas melhores arquiteturas: a Cissa.
    Senti-me homenageado junto com esse homem tão especial, pois todos podem ter filhos, mas nem todos podem ser pais.
    Parabéns querida!!!!

    ResponderExcluir
  11. MEU PAI TAMBÉM FALECEU QUANDO EU TINHA SEIS ANOS E FOI BARRA PRA MINHA MÃE, SEGURAR A ONDA SOZINHA.MAS ELA CONSEGUIU E ESTAMOS TODOS AQUI. EMEU PAI ERA FODA!DEPOIS DELE MINHA MÃE NÃO CASOU COM MAIS NINGUÉM! HEHEHEHEHEE!

    TEM TEXTO NOVO NO BLOG. OLHA LÁ:
    http://thebigdogtales.blogspot.com/2011/08/respostas.html

    ResponderExcluir
  12. Que lindo Cissa, juro que meus olhos encheram de lágrimas. Amei o conto, da maneira como a constrói e encaixa tudo perfeitamente, a construção de uma casa em um papel com a finalização de como nós construíssemos nossa própria casa, com uma bela homenagem aos pais, que são nosso maior exemplo e admiração. Sinto muito pela sua perca, mas percebi que muitas lembranças ainda tem, e como poderia deixar de tê-las com um pai em pouco que li, foi excepcional?!

    Beijos
    http://leticiabarcelos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Ana, minha linda amiga, me emocionei muito. Estou aqui ainda arrepiada.
    Você escreveu os fatos com tanta sinceridade e emoção, que me senti filha do seu pai. Não é diminuindo o meu, que amo de paixão e não me imagino sem ele...
    Uma bela homenagem. Pode ter certeza, esteja seu pai onde estiver, ele deve assistir você e seu processo de construção diário.

    Beijos minha amiga, e um feliz dia dos pais para seu maridão!

    ResponderExcluir
  14. Cissa,

    li alguns textos - crônicas e poesias - neste dia de hoje, todas homenageando os pais. Meu pai não é um sujeito dado a pieguices e ele acha que esse negócio de "dia dos pais" é, nas palavras dele, "coisa de comércio, porque todo o dia é dia de pai e mãe" rs

    Mas dessa crônica eu creio que ele gostaria bastante. Porque traz esses elementos tão particulares na relação entre pai e filhos: o apoio incondicional para a construção de uma casa que, se não for a maior, certamente será a melhor casa do mundo!

    Grande abraço e obrigado por esta crônica! :)

    ResponderExcluir
  15. Cissa querida e doce amiga, vc parece uma bonequinha nessa foto ^.^ que fofolina!!
    Pai, mãe, avós, tios são o grande alicerce para nossa casa da vida, pois são as pessoas que nos cercam desde pequenos que ajudam em nosso crescimento interior!
    E não adianta né, filha e pai sempre será uma duplinha dinâmica!! rsrs
    Que seu dia esteja sendo doce, mesmo que cheio de saudades!

    bjokitas com master carinho :)

    ResponderExcluir
  16. É Cissa, e os nossos pais também são os maiores pais do mundo! Parabens pela crônica!

    ResponderExcluir
  17. Que bonito *-*
    Agora lembrei de um pai contou em uma palestra que a filha dele queria voar, então ele disse que ela iria voar. Levou a menina para algum canto, disse para ela fechar os olhos e pós um ventilador perto para ela sentir o vento. Ele disse que ficou falando, brincando com a imaginação dela e no final "eu estou voando!". Ele contou isso para falar do que a nossa mente faz, mas eu fiquei pensando "nossa, que legal! ele fez a menina voar!" *-* Algo parecido com A MAIOR CASA DO MUNDO!!
    Adorei ^^

    ResponderExcluir
  18. Cissa, minha querida, você consegue transformar palavras em poesias, ainda que inconscientemente, é o caso dessa bela homenagem ao seu pai, que por extensão eu não tenho dúvida em afirmar é homenagem a outros papais também. É por isso que sou seu fã, menina. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  19. Olá Cissa,
    Além da linda homenagem, o texto deixa transparecer a elegância da escritora.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Pais verdadeiros são assim, como bem descreveu. Estimulam, dão os instrumentos e elogiam a criatividade. Impõem limites para que saibamos que o respeito é fundamental na convivência. O meu também está lá, quem sabe junto ao seu, trocando idéias e cultivando a melodia???

    bJS.

    ResponderExcluir
  21. Cissa, minha amiguinha, que crônica maravilhosa você fez homenageando o seu saudoso pai!
    À medida que ia lendo, fui transportando as cenas descritas de sua convivência com ele para mim com minha filha.

    Seu Oscar pode não ter feito a maior casa do mundo, mas tenho certeza de que fez a melhor casa do mundo com ajuda de suas princesas.

    Deve ter se orgulhado muito de ter duas filhas inteligentes maravilhosas!

    Parabéns pela crônica e pelo grande talento!

    Demorei um pouco comentar para eu fazer com mais calma.

    Obrigado pelas visitas constantes e pela carinho e pela força de sempre!

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  22. Lembro como se fosse hoje a gente vendo o pai trabalhando em casa, ou pintando telas à óleo (hobby que adorava).
    Recordo também quando íamos ao escritório para vê-lo, ou em visitas com ele às obras... ahhhhhhh... isso era uma alegria! Nós duas adorávamos quando o pai nos dava os tijolos e argamassa... e podemos afirmar, realmente "alguma parede" ajudamos a erguer... nem que fossem alguns centimetros! rssss
    O velho Oscar foi exemplo de altivez, inteligência, entusiasmo e, principalmente, teimosia pela vida. Exemplo a ser seguido e, felizmente, foi meu pai! :-)

    Pessoal, muito obrigada pelo prestigio, carinho, amizade e incentivo à minha mana Cissa! Assim como nosso pai, ela tem o dom de colocar no papel a vida e encantar a todos com suas obras.

    Ana, muito obrigada por publicar o pai no blog e trazer a lembrança desses episódios tão legais de nossas vidas e que, com certeza, ajudaram a construir as amigas e profissionais que somos hoje!

    ResponderExcluir
  23. Cissa o/
    Linda homenagem e lembrança essa! E a foto está perfeita1
    Tenho certeza que seu pai está muito orgulhoso!

    Ah legal você ter curtido os cosplays! A roupa é fácil mas os efeitos das fotos e a semelhança das garotas deixou muito parecida com a original!
    bjs

    http://www.empadinhafrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Cissa, que linda essa homenagem, me vejo dentro do seu texto.
    Seu Oscar deve estar maravilhado com sua palavras, e deve estar la cima fazendo uma festa e conversando com meu papi também. Só quem perde os pai sabe a dor que é. Deveria ser proibido a gente perder os pais.Desejo uma ótima semana cheia de muitas coisas realizadas pra ti.
    Beijos !
    Smareis

    ResponderExcluir
  25. O meu tinha o nariz mais lindo do mundo, aquele perfil italiano legitimo e avantajado.
    Era lavrador em terras alheias e sanfoneiro de primeira, tocou em todos os casamentos lá pelas 'redondezas' da fazenda coqueiros e dizia que gostava de ver as batatas das pernas das senhoras balançar em danças e contradanças memoráveis deste interiorzão paulista.
    Tocava até o sol raiar e não repetia uma musica, à não ser que pedissem bis.
    Meu amado e anonimo sanfoneiro se foi e deixou uma ninhada de onze ao qual eu fui o mais tenro.
    Tenho muitas saudades dele e de seus 'causos' enquanto destalava fumo no paiól la da fazenda.
    Assim como todos também homenageio meu querido velho que deixou como exemplo o trabalho e o sorriso.
    Meu velho Caetano Mancin.
    Parabéns pelo seu lindo texto Cissa.

    ResponderExcluir
  26. Belíssima homenagem, menina!

    Seu pai, lá do céu, com toda certeza está muito orgulhoso de você.

    Também já perdi o meu há muitos anos, mas convivo com o melhor pai do mundo (maridão), que soube transmitir direitinho seus conhecimentos, pois nosso filho mais velho (papai da Bruna), é também um pai maravilhoso.

    Às vezes penso que ser um bom pai, é bem mais difícil que ser uma boa mãe!...
    Afinal, nós mulheres, já nascemos com o instinto materno aflorado, mas eles, tem que aprender a ser pai. E como aprendem! E como amam! E como são amados!

    Beijão pra ti.

    Tenha uma adorável semana.

    Cid@

    ResponderExcluir
  27. Querida Cissa,
    ser pai todos podem ser, mas um bom pai é outra história nao é. Edificar a casa, e mesmo pequena fazê-la grande é para poucos, é para arquiteto renomado rs.
    Que festa boa essa no ceu!

    Um abracao!

    ResponderExcluir
  28. Lindo, querida Cissa! Bela homenagem! E que doces lembranças de uma infância feliz.

    Hoje, infelizmente, não posso dizer que seja um dia dos pais maravilhoso... Mas, desejo a todos os pai que cumprem o seu papel com amor e dedicação a família, um FELIZ DIA DOS PAIS!!!

    P.S: que foto mais linda!!!!!!! Adorei!!!!

    T.S. Frank
    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. BELEZA DE HISTÓRIA E DE VIDA.
    Também tive a honra de acompanhar meu pai em construções. Contei minha história dias atrás,homenageando meu pai que também se foi.
    Só hoje vi esse seu texto. Por isso comento agora.
    Boa Semana para você.

    ResponderExcluir
  30. Uma linda e emocionante homenagem.Beijos

    ResponderExcluir
  31. Lindo!

    De fato, quando a estrutura familiar se faz sólida e se fundamenta em boas raízes, erguem-se casas que abrigam todo o mundo! Ah! Se todos os pais fossem assim...

    Adorei!

    ResponderExcluir
  32. PESSOAL,
    agradeço a todos que comentaram!
    Este post é muito especial para mim.
    Obrigada, de coração!

    ResponderExcluir
  33. querida cecília,
    se a mãe é o afago, o beijo, a fonte, o princípio, a certeza líquida, já o pai é a direcção. felizes aqueles que, como tu, de duas raízes fortes se fazem árvores inteiras.
    um beijinho!
    p.s. a foto é de uma ternura incrível!
    p.s.2 em portugal assinalamos o dia do pai a 21 de março, dia de são josé.

    ResponderExcluir