quarta-feira, 23 de maio de 2012

Educação às antigas

Desenho da minha filha Luíse de 5 anos.(então com 4 anos)

   No próximo post seguem as Histórias do Condomínio, neste fiquem com uma crônica* de minha autoria. Abraços a todos!
   
   A educação nos relacionamentos virou um mito, espécie de época de ouro, onde palavras como “obrigado, por favor, como estás?”, pareciam incorporadas no dia-a-dia, regadas a sorrisos de boas vindas.
   Atualmente, um simples “bom dia” pode ser comparado a um ato hipócrita. O preocupar-se com os outros e o acenar com gentileza é tão raro que ninguém mais pensa que pode ser sincero.
   A educação no trato não deveria estar relacionada a um tempo passado, a nostalgia de momentos idos “que não voltam mais”, mas sim a consideração que o ser humano tem pelo outro de sua espécie, sem ligação econômica, cultural.  Uma virtude atemporal das sociedades.
   Fui uma das privilegiadas que aprendi em casa o valor de ser gentil. Os exemplos de meus pais me encaminharam para isso. Mas muitas vezes vemos pais que são bem-educados, com filhos desobedientes e agressivos.
   Não raras vezes se confunde ter educação com ter posses, o próprio termo finesse alimenta isso, no entanto conheci ricos que foram grosseiros; e pobres extremamente gentis. O nível cultural, por incrível que pareça, também não está necessariamente ligado a isso. Conheço pessoas que começam suas falas citando Aristóteles, Nietzsche..., mas esquecem de indagar: “esta conversa está lhe interessando?”, ou mesmo tratar a quem está conversando pelo seu nome, o qual nunca mencionam junto a constelação de astros acadêmicos. No que questiono: para que serviram tantos livros, se a pessoa não aprendeu o básico?
   Observando tudo isso, conclui que no caminho inverso da gentileza, está a falta de consideração que o ser humano tem pelo outro.
   No que muitos poderão questionar, “se não tenho interesse em saber como o outro está, por que devo perguntar?”. Mas aí mesmo é que está a questão, o porquê do desinteresse pelo outro? É certo que algumas pessoas não merecem nossa consideração, mas até chegarmos a esse veredicto, muitos fatos têm que nos apresentar indícios disso. Por que sempre ver os defeitos dos outros, sem sequer tentar conhecer suas virtudes? Será isso um reflexo do imediatismo de uma sociedade competitiva que concebe no vizinho a soma de tudo que deva ser superado? Creio que devamos partir do princípio de que todos temos algo interessante e bom, uma chance inicial de acreditar no outro, que poderá ser um potencial amigo, parceiro ou colega no futuro.
   As pessoas sem consideração não praticam a gentileza ou não são sinceras quando. Para essas posso dizer-lhes:
   - Apenas por sugestão, neste momento, creio que você poderia juntar-se à senhora sua genitora...
   Será que eles entenderiam o que eu disse ou, como habitual, não levariam em consideração?

*Crônica publicada nos jornais:
Diário Popular (Pelotas), NH (Novo Hamburgo), VS (São Leopoldo), 
Correio Rural (Viamão), Correio de Gravataí e Diário de Viamão.

81 comentários:

  1. First!
    Infantil não... ahah.
    Hi Mrs. Vampire, esta sua crônica me levou a lembrar de um episódio que ocorreu ontem, quando pedi a uma blogueira autorização para divulgar um material que está sendo vendido para ajudar professores a aprender braille e lecionar para cegos. Eu disse que tinha gostado da atitude e duas blogueiras vieram com tudo, criticando o fato de eu ter elogiado o ato da pessoa.
    Eu fiquei pensando o que havia feito de errado. Será que é tão difícil assim as pessoas que você reconhecer algum mérito delas não está sendo puxa-saco e bajulador? E a troco de quê eu bajularia alguém que não conheço e não vai me dar dinheiro?
    Achei a atitude bonita e disse, falei sobre a atitude e elas vieram com pedras nas mãos, na defensiva, dizendo que tinham pavor de elogios porque os mesmos criavam expectativas e depois a pessoa ia exigir que fossem assim sempre e que não dava para desvincular o ato da pessoa.
    É óbvio que dá! Qualquer pessoa que tivesse aquela atitude, naquele momento, eu elogiaria.
    Também fui educado como você, em agradecer, pedir licença e por favor e, parece que se você faz isto é mentiroso ou viado.
    Fala sério!
    Agora pouparei elogios, porque parece que elogio virou ofensa.

    ResponderExcluir
  2. Interessante.
    Concordo com vc, gentileza é artigo raro hj em dia.
    Outro dia eu estava saindo de casa e já fechando o portão quando escutei uma voz que falou:
    -Bom dia, tudo bem?
    Olhei e era um garoto de uns 10 anos,eu fiquei tão admirada que nada respondi e ele passou seguindo seu caminho.
    Entrei no carro pensando em porque fiquei sem reação e achei que um menino assim tão gentil não merecia meu descaso, mesmo que sem querer.
    Literalmente corri ate encontrar o garoto e respondi mesmo que atrasada,e só não ofereci carona com medo de ser mal interpretada e confundida com uma criminosa.
    O resto do dia pensei na minha reação de surpresa que me tirou a educação e em como é difícil ser gentil e não parecer outra coisa.
    Tempos modernos em que só perdemos.
    beijão Ciss.

    ResponderExcluir
  3. Olá!Bom dia!
    Tudo bem?
    ...(generalizando)... a educação nos relacionamentos se inicia
    no espaço de casa. Os valores e o conhecimento são diretamente transmitidos dos pais para os filhos. Penso que é necessário que os pais, familiares, saibam dar limites e ouvir.
    Ninguém vai respeitar seus semelhantes se não aprender quais são seus limites. E só vai se tornar um adolescente e um adulto com boas maneiras, quem tiver aprendido desde pequeno que muitas coisas podem e outras não podem. Ninguém vem ao mundo sabendo o que é certo e o que é errado. E são os, pais,ou a familia, que têm esta tarefa de passar para as novas gerações esses conceitos.
    É analisando os erros e acertos da educação que recebemos...que iremos chegar aos padrões de excelência na educação de relacionamentos...
    Boa quarta!
    Beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  4. Pessoal,
    não terei tempo para responder os comentários por aqui, mas retribuirei, como sempre, em seus espaços virtuais.

    Desde já agradeço a todos pela visita e lerei todos os comentários com a atenção de sempre.

    Abração para todos!

    ResponderExcluir
  5. Cissinha! Tudo bom?

    Há muitos e muitos anos, em uma galáxia distante, escrevi uma crônica sobre "gentileza". Em síntese, era mais ou menos assim: diante de tantas grosserias que acompanhamos e das quais somos agredidos no dia a dia, qual a melhor coisa a ser feita? Ser grosseiro também? Não: continue sendo gentil. Isso pode ser um exercício muito difícil, afinal não é tão simples dar de cara com aquele vizinho chato no prédio que reclama de tudo e perturba a todos. Mas sorrisos e gentilezas, em muitos casos, costuma "modificar" algumas impressões e até atitudes.

    E isso independe de status social ou mesmo intelectual. Uma coisa bacana de trabalhar com Educação é a diversidade: convivo com pessoas das camadas mais humildes da sociedade a doutores ( com doutorado, claro) e gente de elevado nível financeiro. Há grosseiros em todas as classes, porém percebo que há um traço mais acentuado nas classes mais altas por conta da vaidade tanto dita intelectual como referente a posses. E na vida acadêmica, minha nossa, a "vaidade acadêmica" é um horror, infelizmente é muito comum encontrarmos tais vaidosos em diversos campi universitários.

    Há grosserias que a pessoa consegue "tirar de letra"; outras são mais difíceis, mas o melhor é não esmorecer. Sabe qual é a pior grosseria, na minha humilde e modesta opinião? Não reconhecer o valor do outro. Isso é uma questão de afeto, de alteridade, como você bem citou em sua ótima crônica. Isso é cada vez maior em um mundo competitivo, individualista e, mesmo, narcisista. Com isso as virtudes dos outros - parceiros, colegas de trabalho - são deixadas de lado em nome da "liberdade de autoafirmação", como diz Bauman. E essa necessidade de afirmação é também a causa de ataques grosseiros: apontar os defeitos e ver somente o lado negativo de um trabalho é uma espécie de "defesa" para estas pessoas que buscam a afirmação - e há tantos e tantos modos mais interessantes e bacanas para isso! No entanto parece ser mais simples apontar defeitos nos demais do que cultivar as próprias qualidades.

    Cissinha, 02:00 e a insônia já dá sinais de que quer ir embora, até que enfim. Se eu lembrar de algo mais, volto para complementar.

    Um beijo procê! E pra Luíse futura artista plástica também! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jaiminho,
      obrigada pelo "futura artista plástica".
      Você sempre atencioso com minha "bebê".
      Beijos!

      Excluir
  6. bah, esse assunto dá pra fazer altas filosofias em cima. Vou tentar ser breve.

    Você cita a nostalgia da "boa educação" e ao mesmo tempo a hipocrisia. Dois assuntos que eu adoro hahá. Primeiro que historicamente, desde sempre, o ser humano é lixo. Comete os atos mais bizonhos sem considerar em nenhum momento seu semelhante. Ouço pessoas dizendo do caos que está virada nossa sociedade. E quando não esteve???? O pior cego é quele que não quer enxergar, ou não conhece história. A sociedade está a mesma balbúrdia de sempre, porém a população cresceu. Sendo assim a sordidez fica mais evidente. Enfim, esse é outro papo.

    Sobre a boa educação, o pessoal mais velho, os românticos, defendem o passado, mais esquecem do monte de falta de educação que eles tinham. Suas esposas eram tratadas como empregadas, os negros eram super descriminados, bebiam e estavam sempre metidos em cabarés chifrando as esposas, etc. Fora a ditadura familiar. Confundia-se educar os filhos, truculência, rispidez.

    E digo isso, não muitos anos atrás. Falo da metade do século passado em diante (1950).

    Mas apesar desse discurso todo, também acho que um bom dia, boa noite, como vai, obrigado, não faz mal a ninguém. Ao invés de ser um diferencial, uma qualidade, deveria ser visto como uma obrigação.

    Beijoss Cissa!

    PS: nem reli. Deve ter vários erros de digitação e concordância. Faz vista grossa e desconsidera caso os veja hehe.

    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Parabens minha amiga Cissa! Tem hora que eu me orgulho em ter cativado seu coração e ganhado sua amizade. Você parece ser uma pessoa de uma educação e generozidade sem fim.
    Esse texto foi um dos melhores que já lí aqui. Gostei muito, muito, muito!
    Parece até que a gente estava conectado ontem, pois o texto que coloquei no meu blog tem um significado semelhante. Legal!

    Um beijão a todos aí e fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  8. Oi Cissa
    Eu acho que educação não tem nada a ver com cultura, trabalhei com Juízes que não tinham a mínima educação, não sabiam dizer "por favor", graças a Deus, apesar dos meus pais serem muito humildes, sem cultura, sempre foram educados, e me ensinaram isso, eu tento fazer o melhor com meus filhos, ensinando-os a pedir por favor, com licença, e não se entrometerem na conversa de adultos. Parabéns pelo texto, maravilhoso, como sempre.
    Eu disse que não precisava agradecer, vc é uma queridona, assim como a Joicy e a Lú, foi de coração, e exercem um papel importante na minha vida pessoal e de bogueira, além de exercerem um papel de liderança na blogosfera, fico feliz que tenha gostado da homenagem.
    Bjão queridona e um ótimo resto de semana.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Bom dia minha loirinha linda !!!!!!
    Tão cheia de adjetivos e tão preoculpada com esse universo da educação.Realmente,fazendo um comparativo do antes com o atual,muita coisa evoluiu,mas onde ficaram os valores?
    A tecnologia tem seu avanço e aos pais cada vez fica mais difícil acompanhar as mudanças, desse modo a escola procurou atualizar-se no sentido de informar e formar novos cidadãos.Mas mesmo assim,vejo que fica-se muito ainda a desejar,pois o básico se encontra em casa...
    bjs de bom dia !!!!!!!!
    Amada mil ,kkkkkkkkkkkkk.por mim...
    Atualmente as crianças precisam sair de casa para aprenderem coisas variadas. São cursos de línguas estrangeiras, informática, cursos de música, instrumentos, redação, artes, esportes, e tantos outros. A criança precisa ter acesso a todo tipo de informação, ela tem que freqüentar uma escola, não se admite, na sociedade de hoje, que haja crianças fora da escola.

    ResponderExcluir
  10. Está faltando muita gentileza nesse mundo e outros tantos valores. pena!

    Temos que brigar por eles, para vê-los voltar!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  11. Lindo desenho da Louise! beijos às duas,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chiquinha, obrigada pela consideração com a minha filha! Beijos!

      Excluir
  12. Concordo com o amigo Jaime, afinal ser gentil quando alguém não é consigo, é uma atitude difícil, mas que pode render bons resultados... Muitas vezes eu ignoro a grosseria, porque também não sou de ferro, diante tantos afazeres no dia.
    Beijos e parabéns pelo presente que a Luciana lhe deu (deixei um comentário lá...). Merecido.

    ResponderExcluir
  13. Olá, amiga Cissizinha!
    Realmente a humanidade está involuindo na questão de relacionamento social.
    Meu avô me ensinou que devemos respeitar os mais velhos, os diferentes,os estranhos, enfim, todos.
    Hoje não se pode ser gentil com desconhecido porque, ou somos tachados de loucos ou queremos lhes enganar. Talvez isso se explique pela concorrência e correria do cotidiano, mas alguns ainda resistem em tratar o semelhante com cortesia e respeito.
    Ser educado socialmente depende mais da cultura de uma sociedade do que da cultura subjetiva. Outro dia, no noticiário, vi um psiquiatra sendo acusado por várias pessoas de racismo e maus-tratos com todos; ao passo que conheço muitos analfabetos educados e gentis.

    Amiga, que crônica bem escrita e bem argumentada!

    Abraços do amigo de sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, esqueci-me de dizer que gostei muito do desenho da Luise.

      Abraços!

      Excluir
    2. Bentinho,
      agradeço a consideração com minha filhota, abraços!

      Excluir
  14. Olá!
    Amei seu blog e voltarei sempre.
    Realmente falta gentileza na humanidade, que pena que esse ingrediente está em falta no bolo do amor, da amizade...daí nem ´podemos chamar de amor ou amizade, se falta a gentileza...um abraço e que Deus a proteja sempre

    ResponderExcluir
  15. Oi Cissinha,

    Boa tarde! Tudo bem? Li e volto em breve para comentar.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Cissa do céu, essa história de "ser educado e ter educação" é calo no pé de muita gente.
    E creio que essa educação de berço, não se ganha em faculdade, é algo inerente à pessoa. O que realmente pode ser moldado é a finura nos tratos, mas isso é algo forçado quando adquirido e não cultivado.
    Esses dias houve um caso de um médico aqui em Brasília que destratou uma atendente de bilheteria de cinema na frente de todo mundo, dizendo que ela deveria estar na África no meio dos Orangotangos e não atendendo gente...Uma verdadeira mostra de preconceito racial. Mas médico faz isso??? Os sem berço fazem.
    Olha eu digo que não há barreira que não caia quando vc dá um sorriso sincero, um bom dia alegre, pergunta "como vai você" e para para dar um abraço no meio do corredor.
    Gentileza, gera gentileza. Educação, gera educação! Eu acredito na "lei da semeadura", colhemos o que plantamos.
    Bela crônica querida!
    beijokas doces

    ResponderExcluir
  17. Ana, mais uma vez: bom exemplo. A inversão de valores já está insustentável.

    ResponderExcluir
  18. Cecilia, voce tocou num assunto que tento digerir. Eu tambem fui criada para ser gentil e sou e quebro a cara diariamente.
    A falta de consideração tem sido cruel. As pessoas estão tão frias de sensibilidade. Egocentrismo exacerbado.

    No início do ano passado, eu tive um problema seríssimo com referencia à minha filha e fiquei chocada (ainda hoje) com a postura de pessoas muito proximas, pq jamais, em momento algum, perguntaram como eu estava, se eu tinha noticias, se eu precisava de alguma coisa... foi decepcionante.

    BEIJOS

    ResponderExcluir
  19. Querisa Cissinha..
    Amei teu posto.
    Gentileza gera gentileza..
    Ninguém tem culpa de nossos problemas.
    Ontem eu estava de tpm..daquelas que nem eu me aguentava.
    Fui numa grafica.. nossa a menina não entendia o que eu dizia..rs
    acabei sendo indelicada..mas antes de ir embora, pedi desculpas..Porque ninguém tem culpa se estou stressada.
    Um beijinho Pantera..Mulher Gata!!
    Vou la ver as panteras... amava o seriado..

    ResponderExcluir
  20. Olá Cissa querida!!!

    Em primeiro lugar o desenho da Luise tá uma gracinha postado aqui. Acho que vou postar no meu blog um desenho da Rafinha...rsss..Achei uma doçura da sua parte , Cissa.

    Que maravilha de texto, minha amiga!! É um leque que se abre pra várias reflexões e pensamentos.
    Penso que a gentileza é um aprendizado que começa no lar. Se os pais, ou responsáveis por uma criança não der o exemplo, sincero e verdadeiro, palavras jamais educarão alguém. O que convence, o que fala mais alto, é o exemplo. Tudo tem início dentro da família. Ninguém pode ser educado, gentil, ter respeito ao próximo, se não o fizer primeiro no lar. É o que determina o comportamento de um indivíduo, na vida adulta, em sociedade.

    Você também falou na falta de interesse de uns para com os outros, e isso é verdade! Parece que as pessoas se consideram auto suficientes, isoladas em sua ilhota interior, idolatrando o seu ego...Penso que elas são emocionalmente imaturas e ainda não aprenderam a "enxergar" o outro com olhos de fraternidade. Tão simples, não Cissa? Talvez as dificuldades pra modificar posturas se tornam imensas porque o simples é sempre o mais difícil!

    Muito bom vir aqui, como sempre!

    Beijos da Lu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh! E obrigada pela consideração com o desenho da minha flor-Luíse!

      Excluir
  21. Oi Cissinha,

    Tudo bem? O desenho de Luíse está bárbaro.

    O texto é sutil, verdadeiro, atual e autêntico. Não tenho dúvida que gentileza, muito mais que DNA está no ensinamento, no cuidado aos valores e no respeito ao outro. Se a base familiar contempla gentilezas, a criança cresce em um ambiente saudável e consegue ver o outro como o outro.

    Quando a gentileza é inexistente, não só impera a tristeza, o ódio, mas também os problemas de comportamento. Ademais, o diálogo fica truncado, pois a forma de se relacionar não permitirá intimidade.

    Percebo em lares onde não se preza pela gentileza, não só o silêncio familiar, mas as desavenças e as tragédias, diria a falta de exercício da humanidade.

    Lindo texto, minha amiga tão gentil.Admiro você, sempre!

    Beijos em ti e na artista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luluzinha, obrigada pela consideração com o desenho da minha filhota! Beijos!

      Excluir
  22. Ola Cissa,
    Esta sociedade maluca em que vivemos onde a velocidade das ações sempre está em primeiro lugar, faz com que pequenos gestos muito importantes fiquem fora de moda, como um "bom dia!" sincero, um "como vai você?" com interesse, etc. O que é de fato uma pena, pois os relacionamentos entre as pessoas eram bem mais cordiais e certamente tínhamos uma qualidade de vida melhor.

    É por isso que quando dou aula para os pequenos, vivo falando sobre a importância das "palavrinhas mágicas"...

    E sabe, acho que uma vez já lhe disso, adoro ver desenhos de criança e reparar nos detalhes.... Interessante reparou no semi-círculo presente na cabeça de todas as pessoas no desenho de sua filha? O que pode representar? Interessante! Ela fez esse desenho na escola?

    Excelente texto como sempre amiga! Parabéns viu?

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flavito, obrigada pela observação ao desenho da minha filha!

      Excluir
  23. Cissa, lindona, vc nos serviu este banquete e eu raspei o prato. Uma delícia de texto!
    A gente sabe como anda funcionando essa nossa humanidade apressada e egocêntrica, mas é sempre bom cutucar a ferida.
    A conduta familiar é a base de nossa formação, claro que há uns abortos, mas em regra geral é assim que funciona a questão. Não adianta promovermos uma educação só com palavras, a criança necessita de exemplos explícitos. Sem coerência entre o falar e o fazer,o entendimento torna-se conflitante, assim, apenas estaremos alimentando nossas crianças com o bichinho da hipocrisia.
    Adorei o desenho da Luíse, me trouxe boas lembranças das minhas meninas.
    Bj imenso pra ti guriazinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ira, obrigada pelo elogio ao desenho do meu bebê e por tudo! Beijos!

      Excluir
  24. Ana,

    Lima Barreto está disponível para download PDF neste site do MEC: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.do

    escolha media: Texto
    autor: Lima Barreto

    =)
    Satoru

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marquitos, tu não tem noção como isso vai me ajudar!
      Muito, muuuuuito obrigada!

      Excluir
  25. Olá Cissa,

    Gentileza afaga corações e aproxima as pessoas. Hoje em dia
    parece que as pessoas estão muito voltadas para si e se
    distraem com relação ao seu próximo. Um sorriso sincero, um delicado "bom dia" ou um "você está melhor" fazer uma enorme diferença para quem os recebe.
    E você tem razão, não é uma questão de educação no sentido
    de graduação, mas algo que parte de um coração generoso. Tem a ver com o berço e com os exemplos recebidos
    dentro do lar. Tem a ver com religiosidade e amor ao próximo.

    Excelente e oportuna crônica. Gostei do desenho da Luise.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verinha, obrigada e também pelo elogio ao desenho da Luíse.

      Excluir
  26. Esse cultivo à gentileza, que poderia facilitar a relação entre os indivíduos, está desativado. Encontramos pais maravilhosos que não conseguem passar aos filhos esse tipo de comportamento. Mesmo com o exemplo familiar, abraçam procedimentos de outras "tribos", entendendo que palavras simples como "bom dia", "obrigado", "com licença", "por favor", denotam fraqueza e inferioridade. E se não assimilam, em casa, essa virtude, não o farão nas escolas, salvo na da vida, quando esta os surpreenderem.

    Sabe o que me lembrou do desenho de sua filha???? Como ela é uma criança, todas as pessoas são enormes (rss). Era como minhas sobrinhas nos viam . Hoje, brincam que estamos encolhendo porque já fomos tão grandes!

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, obrigada por observar o desenho da minha filha! Beijos

      Excluir
  27. Cissa, como disse o senhor profeta Gentileza: Gentileza, gera gentileza!!!!!

    Olha, eu sou a favor da boa educação... não hipocrisia. Boa educação mesmo! Desde um cumprimento, até o trato do dia a dia, com o outro! Estou trabalhando em uma escola onde uma das colegas é uma senhora super "sincera". Digo, ela fala que é sincera, quando diz que "fala o que dá na telha". O grande problema é que ela fala o que pensa, sem muito jeito. Na verdade, acompanhada de uma forma grosseira, extremamente desagradável. Semana passada ela magoou duas colegas de trabalho, duas super fofas. Queridinhas de todos. Aí fui percebendo que ela faz questão de agir assim. É nessas horas que me lembro de uma coisa que minha sogra sempre diz: "O que alguns chamam de sinceridade, eu chamo de falta de respeito e educação... estão confundindo os termos". E não é que ela tem razão!?

    Excelente postagem... para fazer refletir!

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda em tempo... o desenho da Luíse ficou lindoo... fofo demais! Como sou professora de crianças, já deve imaginar que amooo desenho dos pequeruxos, né!?

      bjks

      Excluir
    2. Joicynha, obrigada! Você sendo mãe, eu tinha certeza que não ia esquecer disso!

      Excluir
  28. Bahhhhhhhhhh... Ana, um de teus melhores textos! Ótimo, mesmo!!!!!!

    Poxa, o que custa a gente ser gentil e amiga dos outros seres humanos????

    Posso afirmar de peito aberto e cabeça erguida que onde eu chegar sou bem tratada, isto pelo simples fato de que trato todos com educação e em pé de igualdade comigo. Foi-se o tempo da falta de educação e do preconceito!!!!!!!

    ResponderExcluir
  29. Help! Tudo mudou!!
    Faz apenas 50 anos que apareceu a televisão, o chuveiro elétrico, a declaração dos direitos humanos e a revista Playboy. Culpa da pílula, da internet, da globalização, do muro de Berlim, da televisão e da tecnologia.
    Em 50 anos tiraram a filosofia da educação básica, e como o pensamento era reprimido pela revolução, tudo virou libertação. Pedagogia da libertação, Teologia da libertação, Psicologia da libertação.
    Deu no que deu.
    Os pais têm que ser amigos dos filhos. Conversar, corrigir, estimular, vivenciar as vinte e quatro horas do dia.
    O significado passou a ser insignificante!
    Os primeiros passos das crianças têm um destino: computador e tv.
    Neles, logo cedo, aprendem o desnecessário, o fútil, o vazio, o supérfluo, o sem consistência.
    A falta de educação vindo da própria casa, pais disputando com os filhos a tabela da juventude, e o principal: a negligência cristã: não estimulam logo cedo, um culto a um Ser Supremo.
    Estamos formando jovenzinhos preocupados em serem mídia, estarem nela, acontecerem. Crianças imitando Lady Gaga, Beyoncé, Madonna.
    Um dia há de haver locadoras para cérebros brilhantes!!!!!!! Assim como: Gandhi, Einstein, Camões, Luther King, Rui Barbosa, e outros mais.
    A conscientização dos filhos deve ser ampla. Informá-los sobre o respeito para com o Meio Ambiente; Estimulá-los à generosidade; Tocá-los sobre o respeito mútuo.

    Ana, Dio ti protegga!!!


    Cida

    ResponderExcluir
  30. Ufa, demorei mais cheguei, Cissa, acho que somos privilegiados, tenho a mesma idade sua, somos contemporâneos, e vivemos uma educação atípica da que é repassada hoje a essa mulekada, e hoje a coisa tá mais banda voou mesmo, já não se ouve mais palavras gentis, e a gênesis disso tudo é a criação de pai e mãe, acho que já saímos quase prontos para o mundo com 6, 7 anos, pois mesmo com essa pouca idade, já levamos para o mundo alguns valores de nossos pais, e o que aprendemos nas escolas, só complementa o que já sabemos. Hoje os educadores das crianças e adolescentes são a TV, a internet, as bandas teens, e os próprios amiguinhos da escola, e caso os pais não tenham pulso firmes e sabedoria, perderão seus lugares de orientadores para o mundo.

    Ótimo texto, parabéns mesmo Cissa, muito reflexivo.

    ABRAÇÃO PRA TI. LINDO DESENHO DE TUA FILHOTA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, obrigada por tudo e a atenção ao desenho da minha filhota! Beijos

      Excluir
  31. cecília, querida amiga,
    a educação, a delicadeza e o respeito são, a meu ver, e sem grande polémica, valores centrais de uma sociedade democrática, justa, igualitária. podemos perder muitas coisas, mas há princípios que são os pilares da definição de homens e mulheres inteiros, razão por que devem ser defendidos até que não haja mais esperança de os recuperar.
    é verdade que estes valores não são universais e dependem de dimensões culturais e até conjunturais; bastará, para isso, relembrar o que a geração dos meus avós dizia da dos meus pais, o que a dos meus pais diz da minha; agora o que a minha diz da dos nossos filhos.
    sem entrar em comparações que possam revelar-se frágeis na argumentação, estéreis nos efeitos, perniciosas na justeza, invoco, aqui, algo que vem caracterizando a educação nos dias de hoje e que muito pode concorrer para esta reversão de lógicas e valores atual: o entendimento que pais e encarregados de educação têm da escola, que é, para tantos, na voragem de vidas aceleradas, desatentas e desligadas, o lugar onde a educação começa, prossegue e termina. o que exigir, pois, a miúdos cujas referências estão longe das noções de família, solidariedade, apoio, preocupação com o outro?...

    beijinho, minha querida amiga!

    ResponderExcluir
  32. Cissa, parabéns pela excelente exposição que faz de seus pensamentos em relação ao tema que aborda. Ver-se a lucidez, a sensibilidade e a preocupação da amiga com as questões relacionadas ao tema. Te parabenizo e te rendo homenagens pela capacidade de talento em escrever esse texto. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo César, obrigada, grande beijo no coração!

      Excluir
  33. Infelizmente é essa a realidade que vemos. E poucas pessoas fazem alguma coisa para mudar essa realidade. Acho que você ser gentil e educado com o outro independe do tempo e da geração. Tinha que ser tratato como base de qualquer relacionamento. E a falta de interesse pelo outro se dá acredito eu porque costumamos ignorar àqueles que não fazem parte do nosso ciclo social. Dura realidade.
    Análise muito boa. Parabébs pela sensibilidade.

    ResponderExcluir
  34. É Cissa, não servem de nada livros quando as palavras não fazem efeito nenhum. :T

    ResponderExcluir
  35. Boa noite, Ana.
    Acho que educação nada tem a ver com Educação, idade, conta bancária, latitude ou número de dentes, apenas deve-se tratar os demais da mesma forma como gostaríamos de sermos tratados.
    Se tem gente que vai ver mal nisso ou ficar com inveja, aí não é culpa nossa.
    Quanto mais educados formos, mais amigos teremos e mais ricos seremos.
    Simples assim.
    Um bom final de semana pra ti e um abraço, Ana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacques, guri de Pelotas, obrigada! Abraços!

      Excluir
  36. Cissa o/
    É...hoje em dia o lance de ser educado muitas vezes é interpretado de modo errôneo por outras pessoas. Eu não posso nem sequer ser educada e simpática com alguém do sexo oposto sem que o namo ache que já o estou traindo. E a educação com os outros pode ser vista também como ironia e quando vc não é fofoqueiro parece que vc não pertence á este mundo @_@
    Sim!! Nós temos gostos musicais bem parecidos e a paixão pelo Morrissey! Eu vi ele pessoalmente lá lálálá!!!
    Olha eu tenho uma admiração pelos anos 80 sim..talvez porque foi o auge da cena gótica, porque foi a década em que nasci, porque as músicas top da época eram todas sensacionais e inesquecíveis..porque tinha qualidade. Ponto final rs.
    Ah eu acabei não colocando nada do Smiths..mas muitas músicas que eu curtia ficaram de fora também....até músicas mais antigas como Love Tear Will Us Apart do Joy Division...mas pelo menos tem o Morrissey.
    Sua filha tem bom gosto musical já hein? Tem que manter ela nessa caminho rs.
    Minha mãe também te manda um beijo e eu espero que esteja tudo de bom ai!
    Brigada por curtir a postagem!
    bjs!!!!!

    ResponderExcluir
  37. Cissa,

    para mim a educação não é um mero diploma que se obtem no final de um curso, quantos são os que nem ler sabem e são exemplo daquilo que é uma boa educação e eu nem preciso de procurar muito, basta o exemplo dos meus avós e tias.
    Penso que a educação surge quando o homem aprende a respeitar o outro e entende que mesmo, com todas as diferenças, é também um ser humano como ele.
    Compreender. Aceitar. Respeitar. Ser integro. E está aí a educação.

    É claro que a família também ajuda, mas quantos são os exemplos que contrariam? Eu como professora vivo com exemplos e contra-exemplos todos os dias.
    Às vezes até a mim me surge a duvida, será que estou a ensinar/educar bem?

    Beijinho

    ResponderExcluir
  38. Cissa
    Excelente crônica.
    Lembro-me quando era criança, a figura do professor, do padre e até do prefeito de minha cidade era visto com muito respeito.
    Com o passar dos anos os valores foram decaindo por contingências da vida, famílias se desustrurando ,a pobreza, o abandono por parte dos governantes em ver e reformular as necessidades prioritárias de que a escola é extensão da família. Não bastam os empenhos dos professores que ensinam porque gostam do que fazem . Como reeducar essas crianças que já vem com esses exemplos de desrespeito de suas casas?
    Há três anos atrás, a minha filha foi convidada a dar aula para suprir a carga horária de uma escola pública para crianças na faixa etária entre 9 e 10 anos. Ela não conseguiu ficar como tantos outros que também desistiram, pois os comportamentos desses alunos eram estarrecedores. Entre eles as cenas de chutes e pontapés e xingamentos de baixo calão eram constantes. Numa das aulas ela perguntou ao mais agressivo o que ele pretendia ser e a resposta foi esta:
    -Quero ser traficante como o meu pai.

    Cissa, não sei o que dizer sobre o futuro dos filhos e netos e assim por diante. É utópico mas, ainda me resta esta frase:
    ESPERANÇA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elisa, querida! Muitíssimo obrigada, lindo comentário! Beijos :)

      Excluir
  39. Oi

    Cissa.
    Tive que sair e voltei.
    Esqueci-me de dizer que vou ver mais tarde a página de Luciana Sousa que fala sobre você e e a Joicy. Também estou atrasada na visita da Joicy, que adoro.
    Vou ter que sair novamente para ver a minha irmã que quebrou o braço numa queda. Tudo sobre controle fez cirurgia, mas agora que é o momento crítico, com o braço imobilizado e ainda do lado direito.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  40. Oi

    Cissa.
    Tive que sair e voltei.
    Esqueci-me de dizer que vou ver mais tarde a página de Luciana Sousa que fala sobre você e e a Joicy. Também estou atrasada na visita da Joicy, que adoro.
    Vou ter que sair novamente para ver a minha irmã que quebrou o braço numa queda. Tudo sobre controle fez cirurgia, mas agora que é o momento crítico, com o braço imobilizado e ainda do lado direito.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elisa,
      não se preocupe!
      Estimo melhoras a sua irmã, tá bom?
      Grande beijo!

      Excluir