sábado, 30 de junho de 2012

Jet lag emocional


Eu e meu amigo Luciano Werhli.
Pessoal, fiquem com esta crônica* que escrevi inspirada em conversas com meu grande amigo Luciano Werhli.

   O jet lag é uma fadiga que acontece quando viajamos de avião e atravessamos diversos fusos horários, e ocorre uma descompensação entre o ritmo horário em que e a pessoa estava habituada, e o novo horário do local de destino. O ritmo padrão que o corpo respondia às necessidades básicas é alterado. Entre as consequências, ocorre uma espécie de insônia, pois o organismo não consegue adequar-se ao novo horário de dormir; ou mesmo a pessoa tem sono, quando não deveria.
   Conversando sobre viagens com grande amigo, pois concordamos ser uma das melhores coisas que se pode fazer na vida, começamos a trocar experiências, dicas e curiosidades, e a falarmos de lugares e países inesquecíveis. Não demorou para que escolhêssemos Paris, a “Cidade Luz”, como talvez a mais belíssima experiência como viajantes que tivemos até então.
   Paris é uma cidade que se descobre aos poucos. Quando estive por lá pela primeira vez, cheguei de trem da Espanha, ao desembarcar e sair da estação ferroviária caminhei um tanto, e pensei: “É só isto? Isto é Paris?”. Já instalada no hotel, fui explorar o território, mas a cidade – antiga Lutécia como batizada pelos romanos - é sedutora sutil e envolve nos detalhes. Nas ruelas, nos cafés, num arabesco incrustado na ponte, no velho do realejo na rua Mouffetard, na abóboda do Petit Palais, no quiche lorraine da padaria que tem mais de 200 anos. E assim, eu e meu amigo concordamos sobre Paris e logo começamos a sentir uma fadiga que nomeei como: jet lag emocional.
   O jet lag emocional, expressão que criei, penso que se faz adequada quando se tem a sensação de descompensação entre o lugar em que se está e onde se desejaria estar. E ali, dois amigos com vontade de retornar à Paris, mas estando a mais de 10.000km de distância, o que causou tamanha nostalgia e a fadiga eminente mesmo entre xícaras de café.
   E quantas vezes não nos encontramos numa absurda distância entre dois cenários? Ou a expectativa e a realidade? Os sonhos e sua concretização?
Há os que digam que não se deve criar expectativas nas coisas, para que não haja a decepção. Na minha visão, a expectativa caminha junto com os sonhos; e a decepção com a ilusão. Qual você escolheria?
   Correr o risco do jet lag emocional parece-me mais sábio. A vida é curta, e Paris - aqui um cenário de sentindo amplo, o destino desejado há muito - é logo ali, para quem sabe honrar cada dia de sua existência.










Dedico ao meu amigo Luciano e a todos apaixonados por viagem.

*Crônica publicada nos jornais: NH (Novo Hamburgo), Diário Popular (Pelotas), 
VS (São Leopoldo), Correio de Gravataí e Diário de Viamão.

68 comentários:

  1. Ai, ai.. viajar... quem não gosta, né?!
    Bom final de semana!

    Bejus

    ResponderExcluir
  2. Fiquei emocionado com esta homenagem e com esta analogia aos sonhos que vc fez. Sim, mana nós ousamos sonhar enquanto o mundo só nos mostra a realidade. Como certa vez vc me disse Paris é para poucos eu digo o mesmo, sonhar é para poucos. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maninho,
      teu comentário está melhor que a crônica!

      Esta é mesmo a essência do escrito: "sonhar é para poucos".
      Maravilhoso!

      E é tudo como em 'Casablanca', quando o personagem Rick Blaine (Hunphrey Bohgardt), diz para Ilsa Lund (Ingrid Bergman):
      "Nós sempre teremos Paris".

      Beijos e beijos!

      Excluir
  3. Olá Cissa,
    Agora dei uma de Senna hein?
    Adorei esse conceito: "Jet lag emocional", acho que vou adotá-lo em minha fala cotidiana, adorei!

    De fato o mundo só é o que é hoje graças aos sonhadores, que sonham e transformam tudo a seu redor. E Paris, Ah Paris... Nunca fui lá na prática, mas no sentido figurado muitas vezes!

    E sabe, vou confessar, sempre que faço uma M. aqui em casa, digo que é a última moda em Paris, dai não fica mal né?

    Belas fotos e belas ideias que tiveram juntos!

    Adorei.

    Abraços Flávio,
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  4. Estimada amiga Cissa,
    Você é ótima em criar hipocorísticos e agora vejo que também cria neologismos.
    Enquanto lia sua excelente crônica, lembrei-me de uma entrevista da dupla Leandro & Leonardo, em que um deles contou que, quando estavam no Japão, às dezessete horas, fazendo compras, sentiu um sono tremendo que teve de se sentar, foi, então, que se lembrou de que neste horário, eram cinco horas da madrugada no Brasil.
    Nosso relógio biológico tem de ser reprogramado toda vez que mudamos de fuso horário mesmo.
    Sua denominação ficou perfeita.
    Recordar um alegria dessas é revivê-la e reparti-la com os amigos é dupla alegria.
    Infelizmente, conheço o mundo todo sem sair de casa (rs).
    É bom ter um amigo, assim, como o Luciano, pois dizem que se andarmos com os sábios, sábios seremos.
    Sua crônica está perfeita, como sempre.
    Parabéns pelas boas amizades e pelo talento!

    Abraços sinceros do amigo e ótimo fim de semana para ti e família.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite...Penso que sonhar
    é para todos, mas realizar tais sonhos,
    somente quem tem alma aventureira e vontade
    de realiza-los...Minha filha diz que, depois
    de instalada na Europa, conhecer varios lugares
    é como se andassemos de um quarteirão a outro,
    então...Viajando em sonhos ou realidade, basta
    um pouco de vontade e pronto!
    Adorei ler tua cronica tão carinhosa com teu amigo!
    Abraços carinhosos!

    ResponderExcluir
  6. Ainda alçarei meus voos, Cecília...

    Beijinho, querida!

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida MIGA-Cissa! Eu, sumida!
    Cá estou...

    Hmmm... Chic total!
    Bem, nunca viajei de avião... Então, nunca experimentei o Jet Lang... Mas posso imaginar o quão desconfortável pode ser.
    Quanto ao Jet emocional... Deve ser algo estranho... Mas como cê disse... A vontade de estar com a concretização... De voltar... Um pouco de saudade? E eu prefiro aos sonhos... Construídos com a expectativa de uma realização plena.

    Beijinhos***
    Ticy

    ResponderExcluir
  8. Pessoal,
    não vou ter condições de respondê-los aqui no blog, retribuirei apenas nos seus espaços.

    Desde já agradeço a quem já comentou e a quem vai comentar.
    Meu muito obrigada!

    ResponderExcluir
  9. Olha ai mais uma postagem inteligente e interessante da madrinha da blogosfera. Não cheguei a voar fora do fuso, então não conheço a tal sensação do jet lag, mas sou louco para conhecer Paris, assim como toda a Europa,sendo assim, meus planos caminham para isso, no máximo 5 anos. Sonhar é uma benção, acredito que sonhar é o motor que impulsiona as mudanças na vida dos indivíduos, e correr o risco de não encontrar nossas fantasias e expectativas juntos, é uma coisa que vai sempre nos acompanhar, em todos os aspectos da nossa vida. Beijo madrinha....fotos lindas!!!!!

    ResponderExcluir
  10. cecília, minha tão especial amiga,
    não poderia sentir uma crónica como mais alinhada com a minha verdade do que esta, por variadíssimas razões. a primeira das quais, o gosto de viajar que define e redefine o que somos. depois, porque paris, se tem o epíteto de cidade-luz, tem-no na justa proporção do seu merecimento. por fim, porque a desilusão só pode existir se antes tiver havido ilusão (do mesmo modo que sem ilusão prévia, não creio que possa haver encantamento posterior, assim se tornando a vida numa sequência insípida de dias que nem os lugares, as pessoas e a noção de pertença ao que não conhecíamos pode mitigar).
    genial a noção de jet lag emocional :)

    beijinho grande!

    ResponderExcluir
  11. Cissa minha amiga! Tudo bem aí?
    Sabe, eu acho que você escreve muito bem sobre qualquér tema, e mesmo que as vezes eu não goste do tema que você escoheu para escrever, mesmo assim eu gosto de ler! Você escreve de um jeito leve e fácil. Isso é bom nos cronistas! E você é a melhor cronista da blogosfera!

    Parabens minha amiga! Fica com Deus você e sua familia.

    ResponderExcluir
  12. Ficou maravilhosa a crônica falando dessa sensação... Querer estar num lugar e estar noutro.Isso acontece muito.Ficou linda com as fotos.Parabéns aos dois.Linda homenagem.beijos,chica

    ResponderExcluir
  13. Querida Cissa,

    Seu jet lag emocional encantou-me. Sou do tipo que vive traçando metas e, com muita garra, tenho conquistado todas elas. Viajar é uma paixão. A capacidade do sonho e de se teletransportar é inerente e sadia, pratico-a com frequencia revisitando meus locais favoritos.

    Bom demais ler você, uai! Linda, linda sua crônica, mexeu com sua amiga sonhadora.

    Beijinho...

    ResponderExcluir
  14. Amizades criam roteiros para toda a vida.Parabéns por seu talento em escrever, seus textos são excelentes.Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Oi Cissinha...

    Amei a analogia que voce fez...muito integigente e sensivel...
    Acredito que sonhar nos mantém acesos...eu sou uma sonhadora..
    Sonho, viajo em pensamentos.... sou uma sonhadora..
    E digo.... todos os bons sonhos são possíveis...basta acreditar e dar sempre o primeiro passo em sua direção..e nem precisa ser um passo longo..

    Apesar de ja ter estado lá ´por mais de uma vez, quero e vou estar lá de novo... é Linda!

    Na ultima vez.. o hotel que fiquei estava com o elevador quebrado.. e eu hospedada no oitavo andar... imagina...

    Um beijo minha linda e inteligente amiga...

    ResponderExcluir
  16. Cissa....releve os erros na minha escrita...

    ResponderExcluir
  17. Bom dia, Ana.
    O que de melhor os amigos fazem é nos mostrar um ponto de vista diferente daquele com o qual estamos acostumados.
    Merecidamente, Paris é uma das cidades mais famosas do mundo (um bom filme que vi sobre ela é Meia noite em Paris, de Woody Allen, em que Owen Wilson viaja no tempo para os anos 20 e encontra Hemingway, Picasso, Dali e outros tantos artistas e pensadores).
    A ilusão e a desilusão fazem parte de nosso dia a dia, só não podemos esperar demais das pessoas, que podemos acabar nos machucando, ou seja, devemos saber separar nossa pré-concepção da realidade.
    Não sei porque o meu Facebook desde ontem está travado (Facebug), Ana, eu posso ler os posts, mas não comentá-los e compartilha-los , então se eu não aparecer lá por algum tempo não estranhe.
    Abraço e um bom fim de semana para ti, Ana.

    ResponderExcluir
  18. Bom dia, Cissa. Belíssima postagem tanto nas imagens quanto na mensagem, que com certeza você passou.
    Criar expectativas e depois sofrer por não ter acontecido o que queríamos é sempre ruim, mas se deixarmos de tê-las o que será de nós?
    Devemos, na minha opinião, pensarmos em realizar o que queremos, e se de algum modo der errado, tentarmos novamente.
    Caso não dê certo de vez, é porque o que queríamos não era o melhor para nós.
    Existe uma infinidade de coisas na vida que não podemos deixar de tentar querer por medo da decepção ou expectativa frustrada, temos de trabalhar esse lado em nós e seguir em frente!
    Parabéns, menina inteligente e culta!
    Beijo grande, e fique com Deus

    ResponderExcluir
  19. Fiquei com o jet leg emocional lendo o texto .Paris é tudo de bom e os franceses carregam a fama de pouco simpáticos,sempre fui bem tratado,sinto um pouco de inveja deles(culinária,vinhos,queijos ,belas mulheres(homens para quem curte), e um vasto legado histórico ,como é bom saber que existe Paris.

    ResponderExcluir
  20. Ei Cissa, eu quero a chance de ficar jet lag também! hahaha Paris ou qualquer lugar lindo e mágico *-*

    "My heart is so jet lag" << Música de simple plan O.o hahahaha

    ResponderExcluir
  21. Minha linda e encantadora menina !
    Sabia que arrasou nas imagens,estás deslumbrante.
    Escreves crônica com maestria...viajamos na sua perfeição de inteligência.E sei que a cada dia tu sempre nos apresenta textos magníficos e criativos.
    Ser avaliada pelo Bentinho dar até um frio na barriga,rsrsrsrs
    Mas ver que nota ele deu.Nossa!Estás aprovadíssima menina.
    Bjssssssssssss

    ResponderExcluir
  22. Cissa, adorei o termo jet leg emocional! Só vc mesmo! rsrsrsrs... adorei as fotos, ameiii tudo!

    Eu sempre crio expectativas elevadas sobre [quase] tudo. Acho que faz parte.

    Só posso dizer que Paris deve ser um dos lugares mais belos de se conhecer. Um dia irei...

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  23. Não consigo vencer essas distâncias porque viajar de avião me apavora. Uma grande amiga vai para Paris em outubro e me convidou. Rimos muito, porque eu lhe disse que teria que levar uma barra de madeira e, quando meus olhos fossem abertos, teria que me abater, novamente. Mas posso imaginar seu encantamento, por tudo que já li sobre a cidade. Sua criativa expressão ficou perfeita para definir o sentimento.
    Adorei as fotos. Bjs.

    ResponderExcluir
  24. Oi Ciss.
    Certinho mesmo a expectativa com o sonho e a decepção com a ilusão.
    Nunca(incrivel né?)eu tinha relacionado assim.
    Ótimo post, adorei mesmo.
    Bom fim de semana e muita luz por ai.
    Ah, as imagens estão linda e seu amigo heim?? Que gato.

    ResponderExcluir
  25. Oi Cissinha,

    Tudo bem?

    Em primeiro lugar, gostei do termo "jet leg emocional" pois, embora seja uma condição fisiológica, diria uma mudança no ritmo do organismo, representa a dificuldade de adaptação do ser humano e a busca do "status quo".

    Em segundo, pensando no termo, acho que essa sensação de fadiga acontece na percepção de tempo perdido, mesmo quando estamos em ritmo, no ar ou fora do ar. Como viajo muito a trabalho, sinto no intervalos, a sensação do onde estou indo e vem a fadiga que, embora seja física, é um tanto emocional e como Renato Russo canto: "Distantes de tudo, temos nosso próprio tempo..."

    Em terceiro, fiquei pensando no que você mencionou o descompasso entre onde estamos e onde gostaríamos. Quando tudo vai bem, trabalho, família, amigo, amor, queremos congelar o momento e esse descompasso é um tanto ambicioso ou inconformado. Quando está tudo ruim, o descompasso é mais real, mas de certa forte inútil, pois as lembranças ficam por lá, quando na verdade deveríamos desejar lembranças novas.

    Por fim, escolho a primeira e ainda que PAris, não seja mais a cidade luz, ainda assim, a decisão, ainda que traga jet leg, emocional e físico é a saída e como o Dinho do Capital Inicial canta:..."Não é nada demais, são águas passadas. Escolha uma estrada e não olhe, não olhe prá trás..."

    No mais, fotos lindas, lugar lindo, amizade linda e o amigo muito lindo. risos.

    Beijos em todos por aí!

    Cuide-se!

    ResponderExcluir
  26. Ah, e o relógio interno ou biológico nunca está no mesmo do horário do local quando desejamos manter o "status quo" do local que seria o melhor bem-estar da alma.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Cissa!

      Genial o seu neologismo "jet leg emocional"! Excelente crónica e umas belas fotos!

      Acho Paris muito rica, bela, mas estranha... há qualquer coisa no ar... será dos subterrÂneos, que são, segundo dizem, uma verdadeira cidade debaixo da cidade?

      "Sous le ciel de Paris dansent les amoureux, mmmm...mmmmm..."

      Beijo grande!

      Excluir
  28. Amei seu blog!
    a cronica entao mais ainda!
    Sempre sinto esses jetlegs emocionais... em situacoes mais normais ou improprias!!!
    costumo dizer que sou uma gauche - inadaptada - na vida!
    bjo
    opinandoemtudo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. Lembre se que você nunca estará só .
    Conte comigo sempre.
    Adoro você !!!
    Não importa a distancia.
    O carinho de uma amizade não tem distancia ..
    Bjooooooooooooooe com Deus!
    Cigana Raicha

    http://ciganaluminosa.blogspot.com.br/
    ...

    ResponderExcluir
  30. Boa noite!
    Viajar é maravilhoso, não é? Novos lugares, novas experiências, conhecimento! Faz tempo que não saio daqui do estado, aliás, há cidades de meu estado que nem conheço. Mas se tudo der certo, nos próximos anos vamos conseguir sair mais (sou casada há pouco tempo e tem muita coisa para por no lugar ainda)
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  31. Olá Cissa,

    Gostei da expressão "jet leg emocional".
    Conheço Paris sem nunca ter estado lá, de tanto que já ouvi e vi dessa cidade tão badalada. Minha sobrinha chegou há pouco tempo de lá, cheia de fatos e fotos. Ficou apaixonada.
    Para ser sincera, não tenho planos em conhecê-la, apesar de ter convite para passar uns dias lá. Há sempre Congressos por lá, para os Procuradores Federais, categoria à qual me enquadro, e nunca me interessei em ir. Deve ser coisa de outra vida (rsrsrsrs).
    As fotos estão lindas e o seu amigo Luciano é um "gatão" (que meu marido não leia isso-rsrsrsrs).

    A crônica está um primor.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  32. Por isso que acredito que devemos aproveitar cada segundo num lugar novo, num passeio com a família, com os amigos. Mas não importa o quanto tenha aproveitado, sempre há de ficar muita saudade.

    ResponderExcluir
  33. Oi Cissa queridona
    Nossa "viajei" com vc neste post para a belíssima Paris, eu queria ter um jet leg, porque "jet leg emocional" eu tenho vários (kkkkkkk), texto muito reflexivo, digno de sua autoria mesmo, e as fotos maravilhosas!
    Bjão queridona. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  34. Amigo (a) leitor (2) se puder leia minha entrevista ao Blog Poetas de Marte, desde já agradeço.

    http://poetasdemarte.blogspot.com.br/search/label/Arnoldo%20Pimentel

    ResponderExcluir
  35. Oi Cissa, que texto gostoso de se ler... Em Paris, fiquei no Hotel Montparnasse e em cinco dias, estava eu a andar pela cidade toda... (contudo, foi a Itália que ficou em meu coração). Enfim, viajar renova a nossa alma e acrescenta um plus aos nossos conceitos de vida... Ilumina a nossa sapiência. Só sei que se eu tivesse disponibilidade, estaria desfrutando meus dias na Europa (saudades...). Parabéns pela estalo em criar a expressão jet lag emocional e, aqui, definir tão bem o seu significado. Sonhar é viver. Ilusão ou desilusão, só se podem senti-las se permitir entregar-se em seus próprios desejos que, de certa forma, precisam ser postos em prática, realizados. Os sentimentos, as sensações, quando vividas, nos trazem nostalgias, sendo que as boas devem permanecer. Beijos grandes a você e a sua família...

    ResponderExcluir
  36. Querida, como eu lhe disse, li com atenção todos as suas publicações em que me encontrava atrasada e as comentei com muito prazer. Também estive lá no "Transfigurações" e deixei um comentário...

    Beijos e farei todo o possível para que eu não fique tão em déficit como dessa vez...

    Um carinho, um afago para a sua gatinha linda e meiga...

    ResponderExcluir
  37. Cissa, um grande beijo no seu coração. Eu amo viajar. Uma pena que o meu corrido ritmo de trabalho não me proporcione nesse momento, tempo hábil para fazer viagens para lugares que ainda não conheço.

    ResponderExcluir
  38. amada cissa, informo que tc , ou melhor, cato milho, mão esquerda...a direita, não dá...rssss...cirurgia nela
    sabes que amo escrever looooooongos comentarios, mas ainda não dá...

    lindas imagens, da cidade luz, meu sonho de consumo, que sei nessa existencia nao vou realizar...na outra vida , sim...obaaaaaa...

    no mais, só vim mesmo pra te ler, que adoro...to impossibilitada, palavras sem acentuaçao , dificil a coisa aqui..kkkkkk....eita vicio...

    te amo, amiga linda...
    bjos da lu....

    ResponderExcluir
  39. Mrs. Vampire, eu admito que mesmo sendo um vampire, tenho problemas com jet lags e fusos. O que altera em mim não é o sono (que em meu organismo quase inexiste) mas a minha alimentação. É difícil eu me adequar, mesmo que a diferença seja de poucas horas, leva alguns dias e por vezes até passo mal do estômago e nada tem a ver com a culinária dos locais, é pela mudança de fuso mesmo. Gostei da alusão que fez sobre o real jet lag com nossas situações psicológicas.
    Este post me fez lembrar imediatamente da Joicy que em um destes memes blogosféricos afirmou ter o sonho de conhecer Paris.
    Tal como você, concordo que viajar seja das maiores (senão a maior) das experiências que temos na vida e sou muito suspeito pra falar. Eu, quando viajo, não sou nada "turista", visito os lugares turísticos, obviamente, mas gosto mesmo é de me misturar com o povo do local, me misturar e me adequar a vida deles, creio que isto nos torne muito mais experientes do que simplesmente sermos conduzidos por um guia e toda aquela mesmice. Vivenciar uma viagem para mim é vivenciar sua cultura na íntegra e não importa se é uma grande ou pequena cidade.
    Observo muitas pessoas a minha volta que dão muito mais prioridade ao material do que a viagens. Eu faço o oposto, já sacrifiquei coisas materiais exatamente para viajar. Coisas materiais se recuperam, momentos de viagens são únicos e irrecuperáveis. Geralmente abro mão de algo que gosto, vendendo, quando tem algum show em outro lugar e não me arrependo, visto que sei que não correria o risco de não haver outra oportunidade e guardo lembranças de cada show.
    Focando no tema central do post, um trecho que me chamou a atenção foi sobre a descompensação de não estar no lugar onde se desejaria estar. De vez em quando tenho estes flashes e este sentimento, uma mistura de melancolia e ao mesmo tempo descobrir que até mesmo a melancolia pode ser boa.
    Imagino que deva ser torturante pessoas que odeiam as cidades onde moram, leio muitas reclamações em posts a respeito e sinto muito isto na população de uma cidade do interior de São Paulo que é a terra natal de minha mãe de coração. Eu não sei se sou muito camaleão, mas eu me adequo de qualquer modo, em qualquer lugar, para mim cada lugar tem suas qualidades e valores, por mais "insignificante" que pareça, basta saber observar.
    Já escrevi um post aqui, foi mal, mas é que este assunto realmente me interessa, rs. Finalizo respondendo a sua pergunta, o caminho que escolhi foi o de não criar grandes expectativas, tanto com pessoas quanto com outras coisas, afinal, podemos sempre nos surpreender e sempre é bom quando nos surpreendemos para o bem quando menos esperamos.
    Até a próxima crônica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chris, Mr. Vampire,
      Somos do mesmo clã, sem dúvida alguma *-*
      Beijos!

      Excluir
  40. Acabei de mandar por email a poesia pedida...beijos,chica

    ResponderExcluir
  41. A minha viagem de finalista de liceu foi a Paris! Amei. Ainda hoje sinto o arrepio que me causou aquela cidade magnífica. Acho que é impossível deixar de gostar de toda aquela envolvência e beleza. Muito bom este conceito de jet lag emocional. Sofro dele também :))
    Beijoca

    ResponderExcluir
  42. Acho que sofro de "Jet Lag Emocional" crônica, como já dizia no poeta, eu não nasci com vocação para ser árvore... Eu sou apaixonado por viagens, mas infelizmente tenho feito poucas desde que a saúde de minha mãe se tornou instável, mas ainda pretendo um dia visitar Paris, imagino o quanto a cidade deve ser realmente linda...

    ResponderExcluir
  43. Querida Cissa,

    Adoro quando me chamas de Adri (é muito carinhoso). Postei lá no blog do Jorginho que seu comentário-ensaio sobre a poesia dele ficou muito bom, estou agora na expectativa da crônica, avise-me quando publicar, será muito interessante acompanhar os meandros desse seu trabalho. Comentei com meu marido sobre você, sua desenvoltura com as palavras e o fato de já te conhecer(rsrs). Meu marido é agnóstico, mas veio logo ler sua crônica, pois também adora viajar...
    Aprendi um dia que criamos os lugares que amamos e seu blog é um deles.

    Beijo, minha querida!

    ResponderExcluir
  44. Olá querida amiga Cissa!

    Obrigado por sua visita sempre muito atenciosa.
    Estou feliz em estar aqui lendo esta maravilhosa história que nos faz viajar também, imaginando os vôos de longas distâncias; o jet lag que você criou para enriquecer sua crônica; acompanhando virtualmente as belas imagens do velho mundo que você noz faz imaginar.
    E viajar é estar realmente em sonho, que nos faz curtir experiências diferentes, pois as vivências são de povos diferentes e isto é algo muito gratificante.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  45. Ciao Cissa Romeu !!!!! Que alegria postar um comentário no seu blogger pela primeira vez , e se a primeira vez ninguém esquece , então vou tentar fazer bonito .
    Bem , antes de tudo lhe dou os parabéns pelo bom gosto de ser uma admiradora da Itália . Sei realmente o que é isso ! A Itália e a sua língua tem um valor significativo na minha vida , primeiro pelo fato de eu ser aluno de letras Portugês-Italiano . Mas o fato é que a Itália vem de tempos anteriores da minha vida : Infância . E olha a coincidência , eu postei um poema que eu falo sobre a Itália pelo ponto de vista de um menino pobre , o ato de imaginar o fazia estar na Itália.

    Falando sobre a sua postagem ...é maravilhoso ler essas postagens sobre viagens , pois eu me sinto exatamente lá . Eu também tenho um espírito aventureiro , e adoro viagens , apesar de viajar pouco , quase nada rs .
    Apesar de nunca ter viajado para a França , assim como nenhum país, eu me senti tomando uma xícara de café e correndo um risco de ter um Jat lag emocional .

    Obrigado Cissa , gostei verdadeiramente do seu blogger, me sentir em casa . Agradeço muito a Patrícia por ter me indicado .

    Parabéns !!!! Arrivederci !!!

    http://caiovinicius160.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  46. Cissa minha amigona de fé, estou louco pra ter meu primeiro Jet Leg, kkk, amo viajar, mas ainda vou estrear nas viagens internacionais, por enquanto ainda não dá, mas quero muito conhecer Israel, Londres, China e Alemanha. As fotos nos dão um gostinho de "quero viajar também", mas tudo tem seu tempo. Já em solo brazuca, um dos lugares que ainda pretendo visitar é Porto Alegre, e uma esticadinha em Viamão, que você acha?

    Abração pra ti e fica na paz Cissa.

    ResponderExcluir
  47. Cissa irmãzinha... passei pra te desejar uma feliz semana...
    junto a tua familia... e manda um beijo pra Bel ok?
    Obrigada por estar por perto....e por gostar de mim..
    eu tb gosto muito de voce.

    Um bj..

    ResponderExcluir
  48. Adoro viajar. Não tive ainda o previlegio de conhecer Paris, porque quero deixar para uma ocasião especial. Fiz toda a Bretanha (lindissimo!), sul de França e monaco, mas estou cheia de vontade de sonhar em Paris.
    Parabéns pela crónica!
    um beijinho
    cecilia V.B.

    ResponderExcluir
  49. Olha, muitas vezes já me decepcionei após criar expectativas, pode até ser melhor não criá-las, mas quem consegue???

    http://senhoritamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  50. Viajar e escrever parecem se entrelaçar com uma singular afinidade. Excelente crônica.

    ResponderExcluir
  51. Oi, Cissa! Eu não conheço Paris mas a expectativa maior que criei em conhecê-la me veio do filme Meia Noite Em Paris. Aquela, sim seria a cidade dos meus sonhos. Mas não alimento-os daquela forma romântica pois sei que , apesar de toda a deslumbrante beleza, ia me causar esse neologismo fantástico que você criou, o jat lag emocional.

    Ótima a crônica para refletirmos sobre expectativas e desilusões (ou ilusões).

    Grande abraço. paz e bem.

    ResponderExcluir
  52. Minha querida

    Deve ter sido uma viagem maravilhosa...não conheço Paris, mas tenho imensa vontade de fazer essa viagem.
    Adorei as fotos.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  53. Cissa! \o/
    Tudo bem?
    Ah que lugar lindo deve ser Paris! É um dos meus sonhos conhecer a França e a belíssima obra de arte! Fenomenal ver o Louvre atrás do seu amigo na foto...
    Adorei essa postagem..me deu vontade de conhecer ainda mais esse lugar!
    Nossa mulher, mas como vc viaja pelo mundo hein? Quero ser que nem vc um dia *.* O que vc me aconselha á fazer para conseguir isso? Sou pobre kkk
    Olha minha mãe te mandou um beijo! Ela tá se recuperando bem e já até falou que quer operar logo o outro olho^^.
    Sua filha curte Pokémon? Que legal! Pokémon foi o anime que realmente começou am e fazer gostar de anime..eu até meio que fiz mas to aprimorando meu cosplay de agnete Rocket rs. Claro que não ficará bom como os cosplays dos personagens que posto aqui mas fica passável kkkk.
    bjs!

    ResponderExcluir
  54. Já sonhei de montão, já me iludi algumas vezes, mas no,balanço geral, acho q realizei mais do que aguardei a “banda passar“ ... se bem q neste momento eu adoraria estar em Piriapolis... deve ser o meu jet lag... rsss

    ResponderExcluir
  55. Já sonhei de montão, já me iludi algumas vezes, mas no,balanço geral, acho q realizei mais do que aguardei a “banda passar“ ... se bem q neste momento eu adoraria estar em Piriapolis... deve ser o meu jet lag... rsss

    ResponderExcluir
  56. Pessoal, muito obrigada pelos comentários e a atenção,
    beijos a todos!

    ResponderExcluir
  57. Flor, fiz um selinho para homenagear seu blog, está no link
    http://deliciosailusao.blogspot.com.br/2012/07/homenagem-alguns-blogs.html

    Bjoks

    ResponderExcluir
  58. Cissinha, eu quero mais é me acabar de jet lag emocional. Tenho pena daqueles que ficam na janela espiando a vida passar.
    Adoro viajar, adoro conhecer lugares novos e quando o faço sou como criança em parque de diversão, quero tudo!!!

    Beijos

    Leila

    ResponderExcluir
  59. Cissinha,

    talvez o melhor seja não criar expectativas. Covardia? Não sei, há quem diga que sim, afinal envolve riscos; talvez seja uma defesa para frustrações futuras. Os sonhos, que continuem sendo acalentados. Creio que tenho um perfil "pé no chão" demais.

    E tem algo relacionado à mudanças, também. O novo cria certo estranhamento à primeira vista ( ou visita) e o descompasso é acontece com alguma frequência. Sabe quando isso é mais perceptível? Quando a pessoa retorna para morar em uma cidade que já visitou como turista e adorou. Uma coisa é estar em um lugar transitoriamente; outra bem diferente é viver em um lugar com todas as suas engrenagens sociais e fazendo parte disso tudo. Alain de Botton, em seu livro "A arte de viajar" comenta sobre isso.

    Nunca fui a Paris e confesso não ter vontade. Pode até parecer heresia alguém falar isso ( e também não tenho vontade alguma de ir para Nova Iorque, Londres e Miami), mas se eu tiver e quiser viajar para o exterior darei preferência a uns lugares mais...exóticos, vamos dizer rs. Leste europeu, Grécia, Egito, Roma, Macchu Pichu, Noruega e por aí vai. Um lugar interessante seria a Polinésia Francesa antes que desaparecesse do mapa por conta do aquecimento global e elevação do nível das águas do oceano.

    Enquanto isso não acontece, fico por aqui - não tenho problemas em parecer parado. Eu não estou ;)

    Beijinhos!

    ResponderExcluir