domingo, 15 de julho de 2012

Dê um passo à frente quem for mulher



Resultado da minha parceria literária com a amiga Luciana Santa Rita


"Não meça o trabalho até que o dia tenha acabado... e o trabalho concluído." 
(Elizabeth Barrett Browning autora de Sonnets from the Portuguese - 1847)

   Elizabeth Barret conhecia as peças de Shakespeare e outras obras clássicas antes dos 10 anos de idade, mas era apenas uma poetisa emotiva da época vitoriana. Talvez nunca percebesse que poderíamos ser agentes de nós mesmos, como pilotos de nosso próprio avião, assumindo o controle, definindo rumos, por meio da distinção dos desejos, em objetivos ou caprichos.
   Drummond poetizou a mulher de inúmeras formas, mas a diferença não está no gênero, mas na capacidade dessa mulher de olhar um caminho à direita; e outro à esquerda, e poder optar independente, pelo que parecer mais atraente no momento até onde a vista alcança.
   A mulher vanguardista pode ser interpretada como protótipo da gata borralheira, idealizada como uma mulher desprendida no ato de doar, de ofertar carinho.
   A mulher ao longo do tempo foi discriminada por razões de diferenças biológicas, sendo-lhes atribuído um papel social restrito à esfera da vida doméstica. Todavia com as mudanças sociais, a atuação do movimento feminista introduzindo a perspectiva de gênero, a diferença entre homens e mulheres ganhou nova dimensão: a cultural.  Sendo possível distinguir o que é um mero desejo, de um desejo que se transforma em um objetivo de vida, mesmo que sem maiores pretensões ou que represente uma pequena passagem de tempo. 
   Mesmo considerando a inserção da mulher no contexto urbano, ainda é notória a reduzida representação feminina em várias esferas. A fragilidade dos salários, os indicadores de violência doméstica, a mulher objeto, a compatibilização da cultura machista com as leis, entre tantas outras evidências disso.
   Neste período em que encontramos inúmeras possibilidades que podem nos transformar de Borralheiras a Cinderelas num escorregar de mouse, o gênero e a beleza ainda são igualmente utilizados para designar as relações sociais entre os sexos. Essa discussão revela que o estudo do gênero sempre serviu para desmitificar ideias construídas sobre os papéis adequados aos homens e às mulheres.  E assim, lembrando a frase de Simone de Beauvoir: “não se nasce mulher, torna-se mulher”.
  À mulher é exigido o equilíbrio de relacionamentos que já estão esfacelados, onde houve mudanças e que talvez não devam ser mesmo eternos, isso mesclando à complexidade feminina que incorpora todo o cardápio de princesas: Bella, Cinderela, Branca de Neve, a Fiona, mas também a madrasta má, suas filhas, até o espelho mágico e o tapete do Aladim.
 Confinadas e multifacetadas, mais exigidas e fortes emocionalmente que os homens, talvez por isso, permitindo-se ser a madrasta má de vez em quando. Versáteis, pois cabem vários papéis ao longo da vida, até para quem não é mãe, mas é tia; para quem está desempregada, mas é do lar.
   Pensar em vanguarda é entender a ditadura do ‘sejam melhores em tudo’: tão interessante como a princesa, mas forte como a madrasta. Mas que deseja um Tiago Lacerda, embora pareça só existir os Shereks. Nesse contexto, ainda se faz presente a figura do Mr. Magoo (personagem-detetive, com grave deficiência visual) procurando a Mulher Maravilha, ou seja, exigindo uma super-heroína, embora não 'veja' a ponto de reconhecer ou valorizar uma. A verdade é que sapato de cristal quebra e não é confortável.
   Por um lado, sair da vanguarda nas relações amorosas pode significar passar a vida inteira substituindo o protagonista da estória, se repetindo na sessão da tarde por vontade ou falta de opção. Acreditando naqueles que pareçam confiáveis, repetindo o refrão de que ‘é preciso confiar’, mesmo quando o cara pede um tempo. Não percebe o amor à contra-gotas, granel ou em doses homeopáticas.
   Por outro, existe a vanguardista que não se conforma com ‘tanto faz’, nunca reclama se não há luz no inferno ou acredita no céu enfeitado, apenas entende o estado das reticências, do ponto final e dos complementos. Não lamenta a solidão em seus escritos, nem agoniza suspiros sobre o fim: jamais prevê a catástrofe. Tem conduta simples, rápida, pronta, entende o fim, e parece disposta a se libertar. Agir dessa forma, pode ser a crença no amor, sem ter certeza da alma gêmea como eterna ou única possibilidade: um tanto da nossa vida é reciclada, algumas coisas tiradas e outras vêm em acréscimo, inclusive nos sentimentos, e isso não altera a força par, mas pode alterar a dança dos casais.
   Dê um passo à frente quem for mulher. Dê um passo à frente quem busca a dignidade que a realização traz. A realização de ser independente na escolha, mesmo que com erros e incertezas, tristezas ou felicidades, mas com rumo certo: apenas, um passo à frente.



Luciana Santa Rita & Ana Cecília Romeu

Este texto também pode ser apreciado no blog da Luciana.

46 comentários:

  1. Luluzinha, queridona!

    Compartilhar um texto contigo, amiga tão especial para mim, foi uma experiência muito enriquecedora, foi compartilhar além das letras, o respeito, o conjugar pensamentos, o alimentar a comunhão, e as possibilidades através e além das palavras. Sinto-me realizada com isso, esta foi nossa primeira parceria, e creio, nossas parcerias apontam para um número bem maior que este de concretizações: um passo à frente!

    Sinto-me também realizada por ter te conhecido pessoalmente e confirmado as possibilidades reais dos virtuais que se tornam concretos, novamente um passo à frente, na amizade e todos seus afluentes.

    Beijos muitos!

    ResponderExcluir
  2. Cissinha,

    Escrever com você foi encantador em todos os sentidos, pelo respeito, ensinamentos, paciência e amizade.

    O que desejo? Que novas parcerias aconteçam em conjunto e outros parceiros.

    Falar que a passagem para o real foi muito mais que vivencial, diria que uma grande conquista para as amizades que se desenvolvem por meio de palavras e afetos.

    Beijos, lindona!

    ResponderExcluir
  3. Olá, amigas Cissa e Luciana!
    Eu já tinha imaginado que vocês tinham feito algo em dupla, mas, confesso que esse texto me surpreendeu, pela gama de sabedoria e beleza.
    Infelizmente, a mulher foi relegada a segundo plano ao longo da história e talvez seja por essa razão que a humanidade ficou tanto tempo primitiva.
    Creio que, dedutivamente, homens e mulheres são iguais, mas indutivamente, são semelhantes.
    Quanto mais o homem evolui, percebe que o quanto estava equivocado com sua visão machista.
    A mulher, numa revolução silenciosa, vai preenchendo, paulatinamente, seu devido espaço na sociedade e todos nós ganhamos com isso.
    Amigas, aqui vocês amalgamaram seus pensamentos e ideias, formando, assim, um texto único, singular. Se não conhecesse o estilo de ambas nem me falassem, não diria que foi escrito por duas pessoas.
    Quando o talento se encontra com a inteligência, resulta a sabedoria.
    Essa parceria é admirável e é realmente um sucesso.
    Durante a leitura do texto, lembrei-me desta frase de Leon Tolstoi:

    "A mulher é uma substância tal, que, por mais que a estudes, sempre encontrarás nela alguma coisa totalmente nova".

    Parabéns, estimadas amigas, pela bela parceria e pelo texto espetacular!

    Abraços sinceros do amigo e ótimo fim de semana para ambas e família!

    ResponderExcluir
  4. Queridas Lu e Cissa.....
    Que alegria ler esta cronica.
    Me respondam: Em que revista de grande circulacao nacional esta cronica ira sair mesmo?
    Digna de sair nas melhores revistas! Parabens e parabens!!
    Como diz o amigo Bento, se nao soubessemos do estilo de cada uma e nem antecipadamente que esta cronica teria sido escrita pelas duas, jamais descobririamos, de tanta sintonia entre voces.
    Creio que se a mulher tivesse ocupado seu espaco historicamente antes, este mundo talvez fosse um pouco mais sensivel. Nao seria tao duro como e. Seria mais flexivel.
    Mas nao devemos chorar pelo leite derramado e sim irmos em frente sempre.
    Eu aprendi a lutar por falta de opcao. Ou eu lutava ou me enterrava. Optei pela primeira.
    Nasci no campo, de parteira, trabalhei na roca qdo crianca, fui boia fria, fui balconista..
    Mas nunca aceitei de bracos cruzados o que a vida me oferecia.
    Me orgulho de ser mulher e de saber quem sou. Nao digo isso com soberba, digo porque consegui recuperar a minha auto estima.
    A mulher contemporanea tem a capacidade de de ir muito mais alem... com sua inteligencia, suavidade, garra, inteligencia..
    Vou citar aqui dois exemplos de Grandes Mulheres Contemporaneas: Cissa Romeu e Luciana Santa Rita.
    Que orgulho de ler voces!!
    Beijinhos muitos.... muito sucesso, muito amor, muito tudo.....

    ResponderExcluir
  5. Mas que loucura este texto, em pleno dia 15 de julho 'dia dos homens',isto é um presente para nós todos,que temos que reconhecer este ser fantástico,gerador e mantenedor da humanidade que as poucos está resgatando o seu espaço no mundo
    perdido pelo medo dos próprios homens no passado, de nossa história Judaíco-Cristã.Parabéns a dupla escritora.

    ResponderExcluir
  6. Um excelente domingo pra ti minha amiga querida e uma semana repleta de paz e poesias....beijos.

    ResponderExcluir
  7. Hehehehhehehehehehe eu já falei la no blog da Santinha, que esse texto ficou muuuuito bom!
    Essa parceria ao vivo de vocês rendeu bons frutos!
    Ainda bem pra gente que é fã de vcs!

    Um beijão a todos aí!

    ResponderExcluir
  8. Oi meninas,

    que delícia de texto! Quando dois talentos se juntam dá nisso, um texto com cara de quero mais.
    Duas queridas e talentosas amigas!
    Vamos meninas, vamos seguindo com os nossos passos sempre à frente, ainda que tantas outras insistam em usar as pernas para a futilidade.

    Beijos para vocês. Adorei vê-las juntas!

    Leila

    ResponderExcluir
  9. Oi Cissa!!!
    Fiquei muito feliz com a sua visita em nosso evento, e poder conhecer você e sua família pessoalmente.
    Depois de muito ter lutando contra o amigo virtual, hoje tenho vergonha de não ter iniciado a essa nova maneira de ter amigo antes, pois já tive a oportunidade de conhecer através da internet pessoas maravilhosas assim com você, e transformar muitas destas pessoas em AMIGOS pessoais de verdade.
    E como sou uma mulher que dou um passo a frente todos os dias, vou colocar no meu blog este seu conto, pois adorei, acho que ser mulher é tudo isto que vocês inscreveram neste conto.
    Parabéns Amiga.
    Em nome da equipe MarisonhoFuchicos agradeçemos a sua visita.
    Beijos ex-amiga virtual, agora amiga pessoal
    Clau Lima

    ResponderExcluir
  10. Oi Cissa!!!
    Fiquei muito feliz com a sua visita em nosso evento, e poder conhecer você e sua família pessoalmente.
    Depois de muito ter lutando contra o amigo virtual, hoje tenho vergonha de não ter iniciado a essa nova maneira de ter amigo antes, pois já tive a oportunidade de conhecer através da internet pessoas maravilhosas assim com você, e transformar muitas destas pessoas em AMIGOS pessoais de verdade.
    E como sou uma mulher que dou um passo a frente todos os dias, vou colocar no meu blog este seu conto, pois adorei, acho que ser mulher é tudo isto que vocês inscreveram neste conto.
    Parabéns Amiga.
    Em nome da equipe MarisonhoFuchicos agradeçemos a sua visita.
    Beijos ex-amiga virtual, agora amiga pessoal
    Clau Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clau Lima e turma!
      Obrigada por fazer referência ao nosso texto lá no blog de vocês!

      Também adorei conhecê-los, e, em post futuro,vou colocar sobre vocês e o V festival dos sonhos.
      Abração a todos!

      Excluir
  11. Oi Cissa, quanta lucidez juntas... Somos tão sensíveis que transbordamos em qualidades, que tanto podem ser de superação, como de desafios. Não deixamos nos abater facilmente. Enfim, vocês sintetizaram a alma que dá vida a uma mulher. Parabéns pelos pensamentos em perfeita sintonia!! Fico feliz por uma amizade assim, que se conjuga na descoberta. Beijos a vocês duas.

    ResponderExcluir
  12. Ana Cecília, eu achei lindo esse encontro de vcs e penso que deve ter sido maravilhoso trazer para o real uma parceria tão bonita. Vou colocar aqui o mesmo coment que fiz lá no blog da Luluzinha:

    Eu achei o texto de vcs super bacana... penso que a mulher demorou para ser notada, mas está conquistando seu espaço à cada dia e isso é fundamental! Temos muitas conquistas para serem comemoradas, mesmo que ainda haja muito para ser modificado.

    Então, vamos à luta para muitos passos adiante! :)

    bjks :)
    JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  13. Oiee boa noite amada Cissa!!

    Estou vindo lá do Blog da querida Luciana, após ter lido e comentado a parceria lindas de vcs duas que resultou naquela crônica maravilhosa! Duas feras escrevendo juntas, não tem pra ninguém, hein meninas, estou encantada!

    Como eu disse lá, direi aqui, as mulheres de hoje, não tem absolutamente nada das mulheres da minha época, ou seja, há 58 anos atrás...( minha idade, oras...rsss)

    Em milênios de passividade absoluta, sob o comando de seus homens, obrigada a esperar deles a decisão do seu destino e obrigada a suportá-lo pela vida inteira como se obedecesse a um decreto divino. Depois de séculos de sua condição de mulher sendo aviltada, surge a revolução feminina na década de 60, como um divisor de águas, permitindo que ela se impusesse na sociedade, como de direito de qualquer ser humano, com sua inteligência e sensibilidade, afinal o homem e a mulher têm funções diferentes na vida, mas os deveres e os direitos são iguais!!

    Muito bom vir aqui, minha querida Cissa, me alegrar com alegria de vocês duas, olhando os sorrisos lindos na fotografia. Bom demais!!

    Feliz semana, pra todos nós!!

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
  14. Lindo texto! Eu digo sempre que nós mulheres sem pretextos e nem desamparo, jogamos com o tempo, sabemos dividir, subtrair e somar com a vida.
    Parabéns às duas mulheres lindas!Perfeito! Vou repassar o endereço do Blog para minhas amigas que batalham, como eu, em prol dos direitos das mulheres. Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  15. Cecilia,

    Este texto é uma realidade. Eu me li em muitas linhas, vejo a minha vida em constante transformação nos ultimos anos. Tem sido dificil, mas nunca perco a esperança do melhor para mim. Eu mereço.

    BEIJOS

    ResponderExcluir
  16. Oi Cissa, queridona
    Nossa essa parceria rendeu (kkkkkkk). Que texto maravilhoso, não dá para saber onde começa a sua parte e onde termina a parte da Lú. Maravilhoso mesmo! A mulher já conquistou muito, mas ainda precisa conquistar mais, e olha que eu não sou feminista.
    Bjão queridona. Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  17. Cissinha & Luluzinha, a dupla dinâmica! :)

    Parabéns pela parceria! E que venham tantas outras!

    Eu costumo dizer o seguinte: mulheres, assumam de vez o controle disso aqui, pois nós, homens, fracassamos e quase estragamos tudo. ("quase", pois acho que ainda tem jeito...olha o meu idealismo quase ingênuo saltando!)

    E dona Clarice, que é bem mais capaz do que eu, escreveu que depois de grandes jornadas e de grandes lutas o homem finalmente compreende que precisa de ajoelhar diante da mulher.

    Em dado momento vocês citaram algumas figuras bastante conhecidas dos contos de fadas como Cinderela e Branca de Neve, além de outras. Escolhi essas duas porque são aquelas figuras emblemáticas do que se esperava da mulher: prendadas à espera de um príncipe encantado, vítimas da inveja de outras mulheres que não tinham a mesma beleza. Andei lendo uma pequena coletânea de contos de fadas reunida por Angela Carter e é bem interessante perceber que há contos em que a mulher assume papéis ativos, de protagonista e totalmente fora do estereótipo "mulherzinha" - algo que o patriarcalismo não poderia jamais admitir, basta nos lembrarmos de mulheres mais ativas ao longo da história para verificarmos o que aconteceu a elas. Muitas foram parar no limbo da história, infelizmente.

    ( digressão sobre príncipes e princesas: o grande problema é que tanto homens como mulheres procuram idealizações quando falamos em relacionamentos. Sim, há quem possa dizer que os "padrões de beleza impostos pela mídia..." são determinantes, mas é preciso aceitar que homens e mulheres são diferentes, erram e acertam e são humanos - por incrível que pareça há homens e mulheres que sonham com alguém "irreal" e ideal - o que é esse ideal? - para estarem ao seu lado. Bem, é uma breve digressão sobre amor e relacionamentos, um campo do qual apenas observo e não sou muito bom)

    Mas como eu citei dona Clarice, lá vamos nós: "o processo de viver é feito de erros (...) mas o que mais pesa é a paciência vegetativa, boi servindo ao arado". É um convite à ação. Paulo Freire dizia sobre a esperança não como "esperar", e sim a fé e acompanhado a isso, agir. E as mulheres estão agindo, buscando seus espaços. O contexto histórico também é favorável, afinal temos uma abertura maior de regimes e pensamentos desde o finalzinho do século XIX e ao longo do século XX. Contudo já passou da hora de rever os erros. Machismo é algo detestável, mas não gosto do feminismo radical. Aí que eu digo que os erros devem ser revistos para que vivamos com "menos erros" ao longo de emancipações, relacionamentos, divisões de tarefas, etc.

    Vocês foram ótimas na parceria, moças bonitas! Viram o quanto de reflexão suas palavras causaram? Eu poderia tecer outras tantas considerações dada a riqueza da crônica, mas encerro por aqui minha participação para que eu não escreva mais bobagens do que eu já escrevo frequentemente.

    Beijos procês! :*

    E ótima semana!

    ResponderExcluir
  18. Uma excelente segunda feira pra ti minha amiga,,,paz e poesia sempre....beijos.

    ResponderExcluir
  19. Realmente um texto belíssimo. As doses de citações shaekespereanas, drummonianas e outras anas, sob o olhar de nossa Ana (Cecília) e da (Luci) Ana, fazem o carro chefe das intenções, conduzindo-nos até a reflexão máxima: a visão feminina expressa por duas mulheres, uma vez que preserva-se o tom de credibilidade no que consiste ou do que se esconde por debaixo de suas peles.
    Adorei, guardo-as para mim para depois reproduzi-las, sob minha versão, em comentários para as minhas mulheres, principalmente as filhas.

    Grande abraço às criadoras. Gostei muito!

    ResponderExcluir
  20. Mais uma vez vocês arrasaram! Estou dando um passo a frente!
    Aguardo os outros textos que virão: fusão de conhecimento e sensibilidade. Beijinho!

    ResponderExcluir
  21. Não só me encantei com a escrita, perfeita, mas com seus fundamentos, objetivos e reais. Não sou feminista e, desde a infância, nunca vi a mulher em posição de inferioridade. Isto, porque minha mãe, pessoa simples e sem formação profissional, impunha-nos o dever de nos instruirmos e batalharmos para conseguir independência, em todos os sentidos. Ela não se detinha diante de portas fechadas e não se submetia a qualquer autoridade. Conhecia seus direitos e fazia com que fossem respeitados. Sempre foi assim e, com esse comportamento, venceu as resistências machistas de meu pai e nos impulsionou diante da vida.
    Em minha casa, não ouvi, em qualquer momento, lamentações sobre a existência de caminhos mais largos para os homens.
    Compreendo, porém, todo o traçado dessa belíssima crônica. A vida profissional, os contatos pessoais, a convivência com diferentes pessoas, mostrou-me a necessidade dessa luta, já que nem todas as mulheres são preparadas ou se dispõem a enfrentá-la. Creio que nossa força vem de nossas crenças. E nossas vitórias, da auto-confiança.
    Parabéns a ambas, pois me propiciaram uma deliciosa leitura. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  22. Excelente texto de duas grandes artífices das palavras. Gostei de ler, penso que essencialmente tudo assenta no respeito mútuo (entre casais), no respeito por si própria, pelos outros e claro, com uma grande dose de educação ou auto-educação. Não temos que provar nada a ninguém a não ser a nós próprias, ser verdadeiras enquanto seres humanos.

    Beijinhos às duas!
    cvb

    ResponderExcluir
  23. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem,Cissa?
    Antes de mais nada..parabéns pela união de talento...
    penso que após as lutas por igualdade de direitos, a mulher acumula funções que antes eram delegadas apenas aos homens.Para cada direito conquistado, vem as cobranças...e para corresponder a tantas cobranças a mulher moderna teve que fazer um esforço sobre-humano e ainda assim, na grande maioria dos casos, não obteve o sucesso desejado.Mais importante do que ser uma super-mulher livre de falhas,soube encarar estas novas obrigações com tranqüilidade, e conseguiram cuidar de maneira equilibrada os diversos novos setores de sua vida...aplausos para vocês...
    Boa semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Boa tarde, Ana e Luciana.
    Indubitavelmente, o caminho não tem sido nada fácil para as mulheres ainda hoje em dia, em que os preconceitos arraigados de eras passadas ainda se fazem presentes.
    A História mostrou que, quando necessário, as mulheres podem realizar praticamente toda e qualquer tarefa, e o mito infantil da "princesa à eterna espera do príncipe" se mostrou absurdo, caduco e ultrapassado.
    O final do belo texto me lembrou a frase da Doly em Procurando Nemo: Continue a nadar... Continue a nadar...
    O Blogger não quer me deixar postar de novo e o meu Facebook está travado de novo, por isso, posso ficar sem dar notícia por um tempo; infelizmente, faz parte.
    Abraços às duas grandes amigas, e até qualquer hora.

    ResponderExcluir
  25. Passei aqui para ler sua empolgante historia e deixar um forte abraço!

    ResponderExcluir
  26. Cissa, voltando aqui. Já comentei essa postagem, mas queria trazer minha resposta ao seu coment.

    Então vc conheceu a família do Jim inteira! O.O Que bacanaaa!!!!

    hahahahaahahahahahah... essas frases! hahaahh simmmm, ele foi o primeiro amigo virtual que conheci! Olha que responsa dele!?!? *------*


    Achei-o fantástico... Primeiro fomos vê-los no hotel, onde ficamos um tempo conversando. Depois nos encontramos no bar que citei na postagem. Adorei conhecer tanto ele quanto a Rebeca... :D

    Sobre minha ida à sua terrinha, confesso que estou tentada a ir num futuro próximo. Quem sabe, né!? :D

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  27. Amigas talentosas,

    Parceria perfeita. Sintonia ímpar! Daí o resultado: belíssima crônica.
    Além da beleza da peça literária, há que se destacar a propriedade dos argumentos.
    Conheci cedo a força da mulher, através dos exemplos deixados por minha mãe, mulher valente e guerreira. Para ela nunca houve barreiras. Assim, desde cedo, eu e minhas irmãs demos nosso passo à frente na busca de nossos sonhos e conquistas. Fiz carreira, ocupei cargos (derrubando concorrentes homens), chefiei mulheres e homens. Enfim, para mim não existiu, como não existe, falta de espaço por ser mulher. Também no campo sentimental fiz minhas próprias, contra tudo e contra todos. Errei, mas também acertei.
    A cultura da mulher submissa e fraca já não existe em nosso País. A mulher já demonstrou sua condição igualitária com os homens em todos os seguimentos. Ainda existe algum resquício de preconceito, mas em pequena escala, que a mulher há de vencer. Hoje em dia, só fica em situação de inferioridade a mulher que se acomoda e que não sabe viver de outra forma.

    Parabenizo as duas pelo brilhante trabalho.

    Beijos às duas.

    ResponderExcluir
  28. Ops. ... próprias escolhas, contra tudo e contra todos.

    (pulei escolhas- rsrs).

    ResponderExcluir
  29. Sabendo de um texto a "quatro mãos", falando de mulher,
    veio-me à mente a peça de Pedro Bloch 'Amor a oito mãos".
    Muito bom, fazer parcerias, para produzir bons resultados, não importa em que que tipo de trabalho.
    Um texto de duas mulheres, sobre a mulher, foi um parceria fantástica.
    Parabéns a você, ANA, e à LuciANA, pela formidável crônica!

    Um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  30. vocês as duas acertaram...

    eu dou, não um passo em frente, mas dois passos...

    parabéns às duas

    beijinho

    ResponderExcluir
  31. Minha querida

    Realmente a mulher teve e tem que fazer um esforço duplo para ser respeitada e ter mais direitos do que tinha anteriormente, mas acho que está no caminho certo, destacando-se em muitas áreas.
    Uma parceria muito bela...adorei ler-vos

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  32. Olá Cissa,

    Uma lindeza de crônica, e um lindeza de parceria. Vocês ficaram poderosas na foto.Parabéns pelo encontro de vocês!

    Você disse tudo em poucas palavras, a mulher tem inúmeras formas, a diferença não está no gênero, mas sim na capacidade de olhar o caminho certo para poder optar independentemente pelo que parece ser mais atraente até onde a visão impetra.
    Ao meu ver a mulher nada tem de sexo frágil, a mulher é uma fortaleza, uma gigante completa em sabedoria, e de pouco a pouco ela vai conquistando seu espaço.
    A mulher é feita de conteúdo muito especial, por mais que a pesquise sempre encontrarás algo completamente original. Conheço uma frase que diz que a natureza deu tanto poder à mulher que a lei, por prudência, deu-lhes pouco.
    Na verdade todos sabem e conhecem a força, a coragem, que a mulher carrega.
    Parabéns pela parceria, não conheço o blog da Luciana, mais vamos nos conhecer com certeza.

    Grande beijo minha amiga!
    Ótima semana!

    ResponderExcluir
  33. Dê um passo a frente.

    Cissa, te ler me faz sempre uma pessoa melhor, aprendo e sempre digo, que bom que te conheci mesmo que virtualmente.
    Sou feminina, mas graças a muitos movimentos e inclusive ao feminista somos hoje o que somos: mulheres mais independentes, mais livres,temos melhores remunerações, deixamos de ser objeto, embora ainda veja alguns resquícios. Somos mais felizes porque sabemos mais do que nunca o que queremos e estamos sempre em frente ao nosso tempo . Bem representada nessa vanguarda está você, bem sucedida na literatura e que faz crônicas como ninguém.
    Agora vou dar outro passo, pois vou ver o blog da Luciana.

    Uma linda semana para você, carismática amiga.
    Beijussss

    ResponderExcluir
  34. Cissa, sempre impressionando!

    Você e Luciana foram ao ponto quanto à seguir em frente e recuar,
    isso acontece tanto comigo.
    Espero ser convicta um dia.
    Muito bom texto,

    Bjoks

    ResponderExcluir
  35. Cissa
    Que falha a minha
    Após ler ao texto fui diretamente ao comentário enquanto escrevia me esqueci de dizer que a beleza desta crônica rica em detalhes também se deve a sua amiga parceira Luciana.Foi um encontro imprescindível e divinal de vocês duas, mulheres inteligentes.
    Beijos a vocês.

    ResponderExcluir
  36. Delicia ler esse texto de novo... como eu disse a cada vez que leio interpreto de outro jeito... somos mulheres e não maquinas, somo sensives e fortes, guerreiras e dona de casa, estamos bem e ao mesmo tempo mal e por aí... isso se chama mulher!! Rsrsrsrs... Bj bj!!!

    ResponderExcluir
  37. Pessoal,
    agradeço a atenção da leitura e os comentários, muito obrigada.

    Beijos a todos!

    ResponderExcluir
  38. Desculpe eu chegar atrasada, mas aconteceu.
    É certo mesmo, então vamos dar um passo.rsrs
    Eu acho que todas lutam mesmo para sermos reconhecidas, amadas, elogiadas, porque somos acima de tudo feitas de 80% de sentimentos.
    E a minha parte no Tiago Lacerda poderia ser trocada pelo Gianecchini?rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helen, lindona!
      Não existe atraso por aqui, tá bom?
      Talvez sejamos mesmo feitas 80% de sentimentos...
      No restante, ficou fácil então: Tiago Lacerda para mim, Gianecchini para ti :)
      Beijos!

      Excluir
  39. quanto de nós ressignifica, agitando sentidos e renovando direções na ponta líquida da esferográfica com que assinamos o nosso nome-plural? nenhuma vida o é apenas em si mesma, mas no que consegue na relação com as dos outros.
    beijo-vos ambas, queridas amigas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jorge, amigo,
      agradeço a atenção.
      Abraços!

      Excluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. Oi Cecília!

    Adorei este post que fizeste com Luciana Santa Rita.

    Parabéns às duas!

    Dizem que as mulheres são o sexo frágil e que os homens são o sexo. Contudo, observando as pessoas amigas que me rodeiam constato que as coisas só funcionam assim aparentemente. Os homens são fortes a nível físico, as mulheres buscam as suas forças a nível interior e usam a inteligência para resolverem os seus atritos. Os homens usam a força física e às vezes bruta, para resolverem os problemas.
    As mulheres são mais positivas, os homens mais negativos. Quando um homem fica com um pequeno problema de saúde, vai-se abaixo imediatamente e pensa que vai morrer. A mulher, não. A mulher pensa que se trata de uma situação temporária e cuida de si, sabe que dali a dias já estará bem.

    As mulheres são seres independentes e autónomos, os homens não. Os homens são o oposto. É por essa razão que são as mulheres que engravidam e não os homens, porque pura e simplesmente eles não conseguiriam suportar. Acabariam por desistir.

    A Natureza é Perfeita!

    Eu sou mulher, mas não sou feminista. O que sou chama-se: ser realista. :)

    Obrigada pela visita e pelo comentário.

    Um beijo,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cris!
      Belíssimo comentário o seu!
      Grande beijo!

      Excluir
  42. Olá Cissa,
    Estou devagarzinho reiniciando minha "turnê" pelos blogs que tanto gosto e logo no seu dou de cara com esse belíssimo texto que observa com grande propriedade a mudança no papel da mulher dentro de nossa sociedade, saindo de uma atuação passiva e doméstica para ocupar um lugar de vanguarda em cargos de chefia e formadores de opinião. Adorei.

    Abraços, Flávio.

    ResponderExcluir