quarta-feira, 26 de março de 2014

Transitórios em trânsito

Fotografia de Ana Cecília Romeu


Às vezes tudo se ilumina de uma intensa irrealidade
E é como se agora este pobre, este único, este efêmero instante do mundo
Estivesse pintado numa tela,
Sempre...
(Mário Quintana)

   Uma viagem insólita está prestes a acontecer. Grande aventura no melhor estilo surreal, mas de roteiro que não parte de um filme de ficção científica com naves interplanetárias à velocidade da luz. Essa viagem tem início no estacionamento, na garagem, na rua, em qualquer cenário urbano onde esteja o nosso veículo, e começa ao darmos a partida no motor, quando imaginar a próxima cena é uma coisa impossível.
   Capacidade mediúnica é o que precisaríamos no trânsito brasileiro. Nunca se sabe o que o motorista do carro da frente fará, visto que poucos usam a sinalização; e mensurar as ações do sujeito que dirige o carro detrás, visto que poucos usam os freios.
   No trajeto que percorro todos os dias, recordo do grande ídolo Senna e que ele foi, sim, o maior. Muito disso, provavelmente, se deveu a ter dirigido nas ruas e enfrentado o trânsito caótico e sinistro que temos. Tudo, exatamente tudo, parece se atravessar na nossa frente num piscar de olhos ou sem mesmo piscá-los.
   Sempre ouço CD no carro para suavizar um pouco a situação e outro dia escutando Bendita la luz de tu mirada, do grupo Maná, bem na hora em que eles cantam: "Bendito Diós por encontrarlo en el camino", se atravessa em pleno voo, não sei de onde..., um pneu inteiro, repetindo, um pneu inteiro; não apenas a calota. Por sorte, muita sorte e milésimos de segundos, o tal pneu voador encontrou um terreno baldio. Tipo de situação que a gente chora e sorri ao mesmo tempo e que meteria pavor até mesmo nos terríveis personagens hollywoodianos como o Jason, do clássico Sexta-feira 13.
   O GPS deveria vir com consulta on-line de um clarividente, com sinal sonoro de "piii" prenunciando mensagens do tipo: "Altere seu trajeto, não pegue a RS 118, porque voará um pneu bem na frente do seu carro.”
   Vê-se de tudo, desde o sujeito que quer vencer a “corrida” a todo custo: para ele não existe sinal vermelho e sequer outros carros na pista. E ainda os desatentos, os despreparados, os brigões: uma reprodução do nosso universo social em amostras sobre rodas.
   O trânsito nos impõe sermos Sennas, mas eu não passo de mais uma motorista que precisa se deslocar de um lado a outro. E quando ligo o carro, meu sagrado ritual: agradeço pela vida. Quando retorno a casa e o desligo em definitivo, agradeço pela vida duas vezes. Isso, todo santo dia.

*Crônica publicada nos jornais: 
NH (Novo Hamburgo), 
Diário Popular (Pelotas),
Diário de Cachoeirinha/Sinos,
Correio de Gravataí/Sinos,
site do Correio Rural.


Pateta no trânsito - Walt Disney 

30 comentários:

  1. Agradeço a todos pela leitura e/ou comentários.

    Abraço IMENSO!

    ResponderExcluir
  2. Estimada Cecilia, uma breve visita, saudosa, mas com bom proposito de comemorar : DIA DO AMIGO VIRTUAL - 26 DE MARÇO

    "Que sejamos abençoados de paz, saude e harmonia - Felicidades a todos"

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Que bom te ver e ler;. Ando já numa fase de saturação com t trânsito e sempre que posso me escapar dele o faço. Se dá pego táxi, pra SL onde tenho minha mãe, vou de trensurbão,rs e assim me viro. DETESTO estar nessas loucuras. Lindo e acertado texto! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Ana Cecilia.. como está amiga querida.. depois de ler o que postaste posso dizer que quando estamos em harmonia situações que poderiam ser mais graves são desviadas de nosso caminho.. minha cidade de 30 mil habitantes tem mais caro que gente.. muitas familias chegam a ter dois.. meu vizinho são em 6 cada um tem o seu acredita..é o fim.. eu sou da viação canela.. gosto de ir a pé.... lembro que ouvi num video da cristina cairo ela dizer por ter uma visão mais espiritual que na maioria dos carros ela via cores fortes.. tipo vermelho, verde.. e só em alguns o rosinha que é de paz e amor.. tem muita gente irada, desligada de si mesmo e isso que ocasiona acidentes fatais.. grato pela tua visita.. beijos e até sempre

    ResponderExcluir
  5. Cissa amigona, como estais? Ótimo texto, e posso falar com conhecimento de causa, pois por um bom tempo, até dezembro do ano passado, trabalhava como agente de trânsito aqui em Recife, me estressei (por que será? rs) e pedi para ir pro patrimônio, mais tranquilo e com qualidade de vida, e o único adjetivo no qual posso designar para o trânsito brasileiro é: caótico. Tinha uma visão unilateral antes de trabalhar no trânsito, mas depois de conhecê-lo por outro prisma, posso afirmar que é uma loucura mesmo, a grande maioria dos condutores são estressados, desobedientes, não estão nem aí para as Leis de trânsito, sem contar com a péssima estrutura de nossas estradas, semáforos, sinalizações, enfim, um verdeiro caos e descaso por parte dos governantes. E não há alternativa para fugir dos engarrafamentos, pois o transporte público é um lixo, e pra quem opta por bicicleta, um veículo não poluente e que faz bem à saúde, há o lado negativo de não haver ciclofaixas e fora que os condutores brasileiros não respeitam ciclistas, colocam seus veículos por cima mesmo, enfim, poderia falar horas aqui, mas já basta todo o estress que passamos lá fora. Parabéns pelo texto, e esse vídeo aí é muito legal, já o conhecia.

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Boa noite, Cissa
    Tudo "riba" por aqui? Comigo, tudo na paz, gripado que só vendo!
    sim, conhecia o vídeo!Bela crônica!Transitórios em trânsito!
    ...sim, o trânsito nos impõe sermos Sennas, mas não passamos de motorista que precisa se deslocar de um lado para outro...temos, como um todo, motorista que somos , cobrar dos próprios pares uma atitude mais civilizada, mais do que o simples cumprimento das Leis. Dirigir com cuidado não significa somente respeitar os limites de velocidade. Significa também respeitar a Lei como um todo, e ela exige a responsabilidade sobre as condições dos veículo. Carros com pneus carecas, problemas nos freios e na mecânica em geral também são grandes causadores de acidentes. Aliás, acidentes são fatos que não possuem formas de controle. Já a ocorrência de trânsito é controlável, ou seja, ela pode ser evitada. É aí que está o primeiro erro quando se trata deste assunto no Brasil, os acidentes são tratados como fatalidades, quando na realidade não são, pois podem ser controlada e evitada.
    Além de pensar na formação e educação dos jovens condutores, há grande necessidade de se formar também o motorista que já está nas ruas, numa urgente mudança de comportamento...
    sim, muito obrigado pelo "arrastão", belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  7. Cissa, querida, que loucura! Os carros são, constantemente, aperfeiçoados, dotados de inúmeros acessórios, nem todos utilizáveis. O mesmo não acontece com os motoristas, principalmente os que são lançados, descuidadamente, no trânsito, sem malícia e preparo para isso. E ainda temos que conviver com os veículos que não passam por revisões e que, além de poder causar danos, não só materiais, aos proprietários, alcançam os demais com sua falta de condições para circular. Um pneu voador , só por milagre, como mencionou, não provoca gravíssimo acidente. A irresponsabilidade dos motoristas, no entanto, ainda é nosso principal problema. O trânsito sempre será caótico face ao número de veículos que circulam pelas ruas das cidades, e que aumenta a cada dia. O governo concede incentivo para aquisição de outros, com a justificativa de que está a"evitar desemprego", quando, na verdade, auxiliam as montadoras. O outro lado, melhoria do transporte e das estradas, não acontece. Todos os dias, quando saio de casa, peço a proteção divina. E quando retorno, agradeço a Deus pela graça alcançada.
    Parabéns pelo ótimo texto. Ficarei aguardando sua postagem de abril. Tenha lindos dias. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  8. Ana,

    Crônica bem ilustrada por figuras de linguagem e foto.

    fraterno abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  9. Olá, Ana!
    Nos dias atuais...
    ... Trânsito caótico, cada vez mais!
    É o universo social, como bem retrata sua crônica e a foto que nos mostram a rotina muita das vezes inevitável. Em meio a tudo isso, o que fazer além de compreender a realidade para enfrentá-la com consciência, pois nem sempre podemos escapar de sermos parte desse quadro da vida? Quando estamos conscientes dos problemas e os manifestamos, contribuímos para que as coisas melhorem.
    Sua crônica nos conforta, pois, acima de tudo, tem o caráter de indicar a necessidade da paz no trânsito. E por que não aproveitar o momento e refletir sobre...? São tantos os caminhos. Há algum que não nos atravessem um pneu?
    Todavia, entre os desacertos, haverá sempre um desenho animado do Pateta para nos descontrair e nos ajudar a recompor o humor.( rs)
    Tenha um excelente dia, Ana Cecília!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Olá querida Ana, o transito no Brasil está virando uma verdadeira arena de guerra onde todos querem ganhar (tempo) e no fim somos todos perdedores, em Goiânia o transito é um verdadeiro caos, as pessoas são muito agradáveis na cidade desde que não estejam dirigindo, no transito todos se transformam é um horror! srsr Bjossss

    ResponderExcluir
  11. Olá queridona,

    Interessante que ontem fui levar meu carro para a revisão e como ele somente ficaria pronto após quatro horas, peguei um táxi para resolver algumas pendências enquanto aguardava. No caminho, meu assunto com o motorista foi exatamente a respeito dos disparates no trânsito, sobre a dificuldade de estacionamento e o excesso de veículos em circulação, o que está tornando o trânsito inviável. Temos que dirigir atentos aos motoristas da frente, de trás e dos lados, já que não existe esse GJS eficiente mencionado por você. O trânsito está uma guerra, os motoristas cada vez mais impacientes e estressados, além de mal educados e imprudentes. Claro que há exceção. Quantas vezes já fui surpreendida pela ocupação deselegante de uma vaga que eu já estava aguardando e com a seta ligada, tal qual o Sr. Walker, do vídeo. Tenho verdadeiro horror de dirigir em frente de carretas ou atrás de caminhões com carga exposta. Vai que que a carreta embala e perde o freio ou escapole uma mercadoria do caminhão, como aconteceu há pouco tempo com um fogão, que voou pelos ares (vi no noticiário). Hoje, quando estava indo para uma sessão de acupuntura fiquei observando as imprudências no trânsito. Vários carros costuravam, mudando de faixas seguidamente e sem indicação de setas.
    Eu mesmo tive que frear abruptamente para evitar uma colisão quando um dos carros pulou inesperadamente para a minha frente.
    Ainda bem que o pneu não atingiu seu veículo, ficando somente no susto.
    Oremos! rsrs.

    Ótima crônica. O vídeo eu já conhecia, mas adorei revê-lo.

    Beijão e grata pelo carinho de sempre.

    ResponderExcluir
  12. Eu morro de rir com esse video do Pateta pela realidade mostrada de forma divertida! Adorei o seu texto e quanta verdade! Gostaria que inventassem o teletransporte pra não ter mais carros,nem transito!...rss...bjs,

    ResponderExcluir
  13. Entre tantas cenas que se vê no trânsito caótico deste Brasil afora, essa foi mais uma que você vivenciou no seu cotidiano rendendo mais uma linda crônica. Já vi também um colchão caindo de um caminhão, um guri assaltando a bolsa de um carro parado no trânsito bem na minha frente, fora as discussões entre motoristas estressados.Todos estamos vulneráveis as cenas mostradas no vídeo. Não sei quantas vezes já voltei para casa com águas de chuva lançadas pelos motoristas apressados, bem como de outro tomar o meu lugar para estacionar. É só rindo porque chorar não vai adiantar. Boa noite, bom final de semana. Bjusss.

    ResponderExcluir
  14. mais uma crónica plena de lucidez numa mescla que adocica o teu estilo, aninha: a leve ironia a escorrer levemente do tom humorístico.
    no ano em que assinalamos o vigésimo aniversário do desaparecimento do maior piloto de f1 de todos os tempos, eis um pedaço do quotidiano que faz parecer as pistas brincadeira de crianças: pelo menos, aí, há regras e a perícia é o que faz a diferença. já nas estradas, talião é fome e alimento...

    um beijo grande!

    ResponderExcluir
  15. Muito bem escrito. Um pneu inteiro? E o carro sem um pneu, como ficou? Você teve uma proteção divina muito forte!

    Parabéns pelo excelente blog!

    abraços
    Teorias do Leão da Montanha
    Curta: Teorias do Leão da Montanha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois não sei onde estava o carro sem pneu...
      Eis um grande mistério :)

      Excluir
  16. O texto tem uma crítica sutil a essa situação em que vivemos em nossa vida tumultuada de loucura no trânsito.Parabéns.

    ResponderExcluir
  17. Ufa, que susto! Único texto seu, amiga que não poderei dizer que amei, pois senti sua dor. Ainda bem que não teve nada, penso. Ou teve? A Luise estava junto? De todo modo é um sério problema nacional que precisamos rever, rápido. Beijo!!!

    ResponderExcluir
  18. Oi Cissa queridona!
    Quanto tempo! Mas seus textos sempre maravilhosos! O trânsito na cidade grande é realmente caótico, o Marcos que o diga, pois ele trabalha em Santos, onde o número de carros para cada habitante é maior que em São Paulo! Aqui em Itanhaém é uma maravilha! Não tem nem semáforo! O trânsito é muito tranquilo, só muda na alta temporada, quando a população aumenta muito!
    Bjão queridona!

    ResponderExcluir
  19. Oi Cissa!
    O Trânsito anda uma loucura, eu dirijo todos os dias e por vezes me estresso demais pela falta de respeito de algum motorista. No sábado passado presenciei um acidente terrível pela falta de atenção de um motoqueiro que bateu na traseira de um caminhão e o motorista não o viu, e passou em cima dele. Nossa, foi muito triste. Eu estava ao lado na outra via. Muito assustador essa falta de atenção no transito.
    Que loucura isso viu, um pneu rolando no ar, quando perigo, imagino como você deve ter ficado. Ainda bem que nada aconteceu, e ele foram cair no lugar onde deveria estar. Loucura, loucura! Só Deus pra nos proteger.

    Adorei a postagem, e feliz por te ler La no meu bloguito. Ando bastante ausente devido os afazeres da vida, mais aos pouco tudo se ajeita.
    Minha Face anda fechada faz tempo. Esta tudo lá só fechei por um tempo indeterminado
    Uma ótima semana!
    Receba ai um grande abraço!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. O trânsito hoje tornou-se um turbilhão de veículos e até mesmo de emoções. Temos que dirigir pra nós, mas pensando no outro. E a imprudência, continua sendo a maior causa dos acidentes. Gostei das metáforas, bacana e diferente.

    ResponderExcluir
  21. Cissa, querida amiga,

    eu já cansei de escrever sobre o trânsito caótico de nossas cidades - um trânsito assassino, diga-se de passagem, pois temos aproximadamente 42 mil mortes anuais devido a "acidentes" de trânsito; eu coloquei "acidentes" entre aspas porque nem todos podem ser qualificados como tal, pois há atos de motoristas que configuram em assassinato, puro e simplesmente. ( dirigir embriagado é só um exemplo)

    Muita gente já estudou ou estuda o trânsito brasileiro. O professor Roberto Da Matta escreveu livro sobre o assunto e lembro de uma parte em que ele diz algo mais ou menos assim: "em uma sociedade marcada pela hierarquização, quem dá passagem para o outro é boboca, palhaço ou inferior. No Brasil, quem cede a vez está errado e sofre com buzinaços e xingamentos". Curiosamente o trânsito é um espaço onde TODOS são iguais - o (motorista) fusquinha ano 83 deve seguir as mesmas regras que uma SUV importada e repleta de recursos tecnológicos modernos. Mas vai convencer uma sociedade marcada pela aristocracia e modelos de ascensão social ainda confusos e marcado pelo consumismo que é utilizado como ferramenta de distinção... por isso que somente a implantação de um sistema de transporte público eficiente, moderno e de qualidade ( coisa que ainda está muito, mas muito distante mesmo neste país que ainda cede todos os privilégios possíveis e impossíveis à indústria automobilística) seria apenas uma etapa - é preciso mudar a mentalidade das pessoas, em todos os aspectos: entender que os direitos caminham junto aos deveres ( ora, é dever do motorista manter seu veículo em bom estado de conservação para que pneus não saiam "voando" por aí - quem sabe um exemplo do Piquet que ajustava muito bem os seus carros não seria válido também? ) e que cidadania é algo muito mais abrangente que uma palavrinha bonitinha que é repetida em breves campanhas institucionais na TV. Isso se resolve a médio e longo prazo com Educação ( não apenas a Educação escolar, é bom frisar) e mudanças de certos paradigmas ainda vigentes em nossa sociedade.

    Ufa! Como se vê, a questão do trânsito é bem complexa. Estamos falando do Brasil, que é nossa realidade, mas há outros países onde o inferno é sinônimo de trânsito. :(

    Beijo, querida! Ainda bem que foi "apenas" um susto - dos grandes, é verdade.

    ResponderExcluir
  22. Minha amiga muito querida
    Circular nas ruas, nos tempos de hoje, em que o trânsito aumentou de uma maneira assustadora, é uma verdadeira aventura.
    Lembrei-me de um amigo/colega com quem muitas vezes eu ia para o trabalho de carro. Ele fazia coisas mirabolantes a conduzir, como ultrapassagens meio à maluca, mas a verdade é que conduzia com muita segurança e muito bem. Mas eu sempre dizia (mas por brincadeira...): toda vez que entro neste carro entrego a alma ao Criador!
    A mim aconteceu-me uma coisa invulgar. Parei na berma de uma estrada, sinalizei a presença com os 4 pisca-piscas, aguardando que a pessoa que me acompanhava fosse a um bar do outro lado da estrada comprar uma garrafa de água.
    De repente ouvi um estrondo enorme, e senti o carro estremecer violentamente. Com os olhos esbugalhados vejo "qualquer coisa" bater na dianteira do carro e "voar" para a berma da estrada. Era uma moto que tinha embatido no meu carro, tinha voado por cima do mesmo e aterrado no capô do carro! Podes imaginar o meu susto.
    E, feita parva, sem ter culpa nenhuma, ainda levei o homem ao hospital (que nem sequer estava magoado) e... etc, etc,... ainda tive aborrecimentos por causa deste incidente. Não se pode ser bom :)

    Depois de tanta conversa vou deixar-te em paz, livre do trânsito das minhas palavras :)))))))))))))))

    Dias felizes para toda a família.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  23. Oi Cissa,

    só hoje pude vir com calma.
    O trânsito, ah o trânsito! Deveria ser apenas para praticarmos o verbo transitar, ir e vir. Mas acaba sendo um circo, um ringue, um campo de batalha. Pergunto onde vamos parar com tudo isso? e imediatamente me respondo: Eu espero chegar inteira dentro da minha garagem. Amém!

    grande abraço Cissa

    Leila

    ResponderExcluir
  24. Cissa, minha querida
    O que me traz aqui hoje é esclarecer uma dúvida que está me deixando encafifada :)
    Há umas duas ou três semanas tive um problema no meu Outlook, que o fez entrar em "looping"... e a única solução que o meu filho arranjou foi desactivar a caixa do correio e criar outra. Ora o Outlook traz associado um calendário, portanto, fiquei também com um calendário novo, o que quer dizer que o antigo, onde eu tinha anotado todos os aniversários... foi-se!
    Aos poucos tenho vindo a organizar o novo, à medida que vou colhendo informações, e com algumas, preciosas!, que, prudentemente, anotei nas "fichas do correio" dos meus correspondentes. Como não tenho o seu email... não tenho nenhuma informação preciosa :))).
    Tudo isto para lhe dizer que eu tinha ideia que a pequena Luise faz aniversário nos primeiros dias de Abril. Estou certa? E mamãe dela é em Maio... continuo certa? Por favor me esclareça.

    Uma excelente semana
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela atenção, querida Mariazita,
      entro em contato em breve consigo.

      Grande beijo e ótima semana!

      Excluir
  25. Cissa querida
    Passando para agradecer tua atenção e apreciação ao meu "poema". Obrigada!
    Agradeço também a informação acerca dos aniversários. Já anotei na minha agenda. Agora é só esperar que não haja outro azar com o calendário ... :)))

    Que teus dias sejam risonhos como tua linda foto...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  26. Eu adoro dirigir! Acho que, neste aspecto, puxei muito ao nosso pai que não se incomodava com o cansaço ao volante... assim como ele, sou capaz de dirigir até Montevideo, depois de um dia de trabalho... rssss Agora, o trânsito da grande cidade é um saco... assim como trafegar pela RS 118... que não escapo, porque de minha casa não tem como chegar o centro de Viamão ou a Porto Alegre, sem passar por ela.
    Não sou Senna... muito menos Rubinho... sou apenas uma boa motorista (muito ligada em direção defensiva), que adora dirigir!
    Excelente texto para reflexão, num Brasil onde milhares de vidas são ceifadas todos os dias por gente que se crê Senna e imagina que as e ruas e estradas estão disponíveis só pra si!

    ResponderExcluir
  27. Ana Cecília, preciso dizer que me identifiquei completamente? Bem, penso que todos acima disseram o mesmo... é uma aventura diária, de fato! Aliás, uma dupla aventura, pois não estamos seguros nem no ir e muito menos no vir, com todo mundo já saturado do trabalho, com a paciência pela metade... Bem sabemos que a situação pode ser fatal (breve referência ao carro que despencou no vão móvel da ponte sobre o Rio Guaíba... o que são aquelas imagens?!). Por fim, a RS 118 conheço bem, não me admira voarem pneus por aqui... Gostei da ideia do GPS clarividente, alguém fabrica, por favor???

    Excelente seu texto, o jeito é falar e falar e falar... na tentativa de que algo mude para melhor. Beijo.

    ResponderExcluir
  28. Olá, Ana.
    Grande texto; reflexivo e imaginativo na medida certa.
    Se para quem, como no meu caso, só circula de bicicleta, o trânsito já se mostra um labirinto de dar inveja ao grande artista Escher, o que se vai dizer de quem precisa usar carro todos os dias?
    Acho que o que acontece com muitas pessoas ao volante é o mesmo que ocorre na internet: uma falsa sensação de segurança/imortalidade que faz com que o indivíduo perca a noção de onde está e do que pode ou não fazer, o que muitas vezes acaba em acidente.
    E como infelizmente ocorre em nossa sociedade, os inocentes acabam pagando pelos erros de quem prefere pensar e agir como se vivesse sozinho no mundo.
    Abraço, Ana.

    ResponderExcluir