quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Série "O" - Conto 7: O Papai Noel

   O nome dele era mesmo Noel. Desde pequeno adorava festas e distribuir presentes. Pais muito ricos, e Noel tímido. Com presentes caros, ganhava novas amizades e mantinha as velhas. Virou a sensação do bairro: o cara que distribui presentes. Mas Noel fazia isso em qualquer época do ano, nem esperava o Natal, para quê? Assim que sentia mau olhado, fofoca, inveja e mulher bonita. Mais presentes!
   Dinheiro não lhe faltava, seu pai era dono de uma rede de ferragens que dava muito lucro com o "boom" da construção. E Papai Noel, como ficou conhecido mais tarde, se beneficiava disso, tornando-se cada vez mais popular. Tinha até comunidade no orkut.
  Natal, e Noel trabalhava muito. Comprava brinquedos em quantidade e distribuía para as crianças. Cigarros para trabalhadores e charutos para empresários. E muitos presentes, em especial para as mulheres, sua segunda paixão depois de presentear.
   Mariana, Eufrásia, Godofreda, não interessava o nome, contanto que fosse volumosa. Não precisava nem falar, mas se quisesse agradecer, Noel tinha boa sugestão.
   Certa vez, a esposa de Cláudio, dono da academia de karatê do bairro, foi presenteada com finos brincos de ouro por Noel. Cláudio veio querer satisfação, tirando a camisa para o primeiro soco.
   — Ho, ho, ho — disse Noel.
   — Tá pensando o quê? — gritou o Cláudio furioso.
   — Ho, ho, ho — repetiu Noel.
   — Qué leva um soco agora, ou daqui a dez segundos?
   — Ho, ho, ho — novamente Noel — Tenho um presente para você.
   — Não vem com essa — disse Cláudio.
   — Ho, ho, ho. Tenho presente para você — disse Noel.
   — O que tu qué cara?
   — Ho, ho, ho. Tenho presente. Aceita?
   — Tá falando a verdade Papai Noel de araque? — disse Cláudio.
   — Juro pelo Papai Noel verdadeiro! — disse Noel.
   — O que é?
   — Ho, ho, ho. Antes tem que dizer se aceita.
   — Qual é, cara? — disse Cláudio.
  — Papai Noel só dá presente se você aceita. — disse Noel, enrolando a barba com o dedinho mingo.
   — Eu topo!
  Semanas depois, Cláudio foi visto em carrão sedã azul calipso, dupla carburação, pisando firme em primeira marcha.
  — Viu, esse foi fácil. Me livrei daquela bomba. Meu amigo chapeador fez a lata toda, parece novinho, mas o motor..., ho, ho, ho — disse Noel, agarradinho na mulher de Cláudio. Ops! Na ex-mulher.

9 comentários:

  1. Esse Noel...
    Muito bom o conto.
    Aninha, Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  2. Ciça,
    Hoje não poderia ser outro comentário.
    Passo para lhe desejar um Feliz Natal e que 2011
    lhe traga muita paz, alegria e felicidades.
    Abraço

    William
    www.tocadowilliam.com

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Que Noel mais safado! oaksosaoska eu ri do "juro pelo papai noel verdadeiro" kkk'
    Eu achei teu blog na comunidade do blogger, tópico de divulgação. ^^ Espero que você visite o meu mais vezes também. :D
    =**

    http://izelaize.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Passando para te desejar um Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  6. Feliz Natal!

    Tem uma surpresa para você no meu blog.
    Espero que goste.

    ResponderExcluir
  7. Como sempre, ótimo conto! Parabéns!

    Tem um presente pra ti no meu blog.

    Abraços e ótimo fim de ano!

    ResponderExcluir
  8. Ei Ana,
    Parabéns pelo blog, mais um bom conto(já dá um livro em??)
    Feliz natal atrasado, e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ai que barato!
    Adorei, minha flor.

    Vc sempre mandando mtooo bem ;)

    Beijos e te espero lá no blog!
    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir